sicnot

Perfil

Mundo

França repõe controlo de fronteiras durante um mês para cimeira do clima

França vai restabelecer o controlo nas suas fronteiras com países Schengen durante um mês, entre 13 de novembro e 13 de dezembro, devido à realização em Paris da cimeira sobre alterações climáticas (COP21).

Reuters

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês enviou uma nota aos países vizinhos afetados pela medida pedindo às respetivas autoridades que "facilitem a passagem nas fronteiras aos participantes" na COP21.

"De 13 de novembro a 13 de dezembro, serão repostos os controlos fronteiriços, como está previsto nos acordos de Schengen" para este tipo de grandes eventos agendados com antecipação", confirmou à agência de notícias espanhola Efe, um porta-voz do MNE francês.

O período de um mês durante o qual estará em vigor esta medida temporária, é o maior permitido pelo código Schengen para estes acontecimentos e deve-se ao facto de a cimeira ser acompanhada de um grande número de eventos paralelos.

O restabelecimento deste tipo de controlo implica a obrigatoriedade de apresentação de documentação às autoridades francesas nas fronteiras terrestres quando esta seja exigida.

De acordo com fontes oficiais espanholas, mais de 10.000 camiões e veículos pesados atravessam diariamente a fronteira de La Junquera, entre Espanha e França, o que levanta alguns receios quanto à repercussão desta medida provisória na circulação rodoviária em certos troços.

França espera a chegada de mais de 35.000 pessoas acreditadas para a Conferência das Partes (COP21) Signatárias da Convenção das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, que será inaugurada a 30 de novembro e se prolongará, em princípio, até 11 de dezembro.

Estes visitantes, que disporão de um visto de "visita profissional", dividem-se entre os 10.000 delegados nacionais dos 196 países, cerca de 20.000 representantes de organismos intergovernamentais e de organizações da sociedade civil, e cerca de 5.000 jornalistas.

No entanto, está também prevista a presença de milhares de pessoas que se deslocam para participar "nas manifestações organizadas à margem da conferência", refere o MNE francês no comunicado.

A reposição dos controlos fronteiriços é habitual quando se realiza este tipo de cimeiras, recorda o ministério.

Já este ano, o Governo alemão reintroduziu o controlo nas suas fronteiras Schengen entre 26 de maio e 15 de junho.

O acordo de Schengen, assinado em 1985 na cidade luxemburguesa com esse nome e em vigor desde 1995, estabelece um espaço comum em que qualquer pessoa que tenha entrado regularmente por uma fronteira exterior ou resida num dos países que aplicam o convénio pode circular livremente nesse espaço.

Atualmente, integram o espaço sem fronteiras Schengen todos os Estados membros da União Europeia exceto o Reino Unido, a Irlanda, a Bulgária, a Roménia, Chipre e a Croácia, embora os últimos quatro sejam candidatos à adesão.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".