sicnot

Perfil

Mundo

Governo brasileiro admite dívida à banca de 57 mil milhões de reais

O governo da Presidente brasileira admitiu hoje ter uma dívida não registada de 57 mil milhões de reais (13,8 mil milhões de euros) à banca pública, mas garantiu que pretende pagá-la até ao final do ano.

© Lehtikuva Lehtikuva / Reuters

A admissão desta dívida está expressa na documentação que o governo de Dilma Rousseff enviou, como sua defesa, para o congresso, que em dezembro vai analisar e votar as contas públicas.

A oposição brasileira solicitou o início de um processo para destituir Dilma Rousseff por considerar que estas manobras, usadas para "maquilhar" o resultado orçamental, correspondem a um "delito de responsabilidade", que é uma das causas mencionadas na Constituição para a destituição de um Presidente.

O Tribunal de Contas já recusou as contas públicas apresentadas pelo executivo brasileiro e recomendou ao congresso que as reprovem, por entender que representam irregularidades "graves".

Este organismo de controlo estadual avançou que, em 2014, o governo brasileiro deixou de depositar na banca pública, usada como agente de pagamentos, parte dos montantes previstos para seguros de desemprego, subsídios para as famílias mais pobres e créditos para camponeses, entre outras obrigações.

Isto forçou os bancos a cobrir estes compromissos com os seus próprios recursos e causou uma dívida do Estado que, no final do 2014, atingia os 40 mil milhões de reais.

O governo continuou a faltar a estas obrigações durante 2015, o que elevou a dívida para com a banca ao montante hoje divulgado.

O ministro da Presidência, Jaques Wagner, garantiu que vai ser paga antes do final do ano.

As explicações do governo vão ser analisadas pelos deputados membros da comissão do Orçamento, a qual vai depois remeter um relatório à Câmara dos Deputados e ao Senado, que o vão votar em sessão conjunta, em princípio, no dia 17 de dezembro.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.