sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que projeto de lei antiterrorismo brasileiro pode restringir liberdades fundamentais

O projeto de lei antiterrorismo atualmente em tramitação no Legislativo do Brasil é "demasiado amplo" e pode "restringir indevidamente as liberdades fundamentais", defenderam hoje em comunicado de imprensa relatores especiais das Nações Unidas.

(Reuters / Arquivo)

(Reuters / Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

"Estamos preocupados que a definição do crime estabelecida pelo projeto de lei possa resultar em ambiguidade e confusão na determinação do que o Estado considera como crime de terrorismo, potencialmente prejudicando o exercício dos direitos humanos e das liberdades fundamentais", disseram os relatores especiais.

O projeto 101/2015 foi aprovado pelo Senado no passado dia 28 de outubro, tendo excluído do texto um artigo anterior que estabelecia que participações em protestos políticos e movimentos sociais não fossem enquadrados como terrorismo.

Devido à alteração, o projeto vai ser novamente analisado pela Câmara dos Deputados.

Os relatores da ONU afirmaram ser dos Estados o dever de proteger a sociedade civil e os seus direitos, como a liberdade de associação e reunião pacífica e a liberdade de expressão.

"Definições imprecisas ou demasiadamente amplas sobre terrorismo abrem a possibilidade do uso deliberadamente indevido do termo", realçaram os relatores, defendendo o respeito pelos princípios de necessidade, proporcionalidade e não discriminação.

Os relatores da ONU também disseram que medidas antiterrorismo que possuem impacto negativo na atuação das ONG se tornam contraproducentes na redução da ameaça imposta pelo terrorismo.

Os especialistas independentes da ONU que assinaram o comunicado foram Ben Emmerson, relator sobre promoção e proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais na luta antiterrorista; David Kaye, relator sobre a promoção e proteção do direito à liberdade de opinião e expressão; Maina Kiai, relator para os direitos da liberdade de reunião e associação pacífica; e Michel Forst, relator para a situação de defensores de direitos humanos.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.