sicnot

Perfil

Mundo

Quatro pessoas morreram ao largo da ilha de Lesbos

Quatro migrantes, dos quais dois eram crianças, morreram na terça-feira por afogamento depois de caírem de uma embarcação em dificuldade ao largo da ilha grega de Lesbos, no Mar Egeu, informou a polícia portuária da Grécia.

STRATIS BALASKAS

Os barcos patrulha da guarda costeira helénica e da agência de controlo de fronteiras europeia (Frontex) detetaram na água os corpos destas quatro pessoas, depois de terem salvado outras quatro, entre as quais uma criança.

As oito pessoas tinham sido dadas como desaparecidas e eram procuradas depois de uma operação de resgate de outras 42 pessoas que estavam a bordo. Estas foram transferidas para Mytilène, a principal localidade da ilha.

Segundo as suas declarações, a embarcação, de plástico, proveniente das costas turcas, estava em dificuldade e oito pessoas caíram à água.

Milhares de migrantes têm chegado, nos últimos meses, a Lesbos e a outras ilhas gregas no Mar Egeu.

Na semana passada mais de 80 pessoas morreram em naufrágios sucessivos no Mar Egeu, entre as quais numerosas crianças.

Em 28 de outubro, ao largo de Lesbos, o naufrágio de uma embarcação de madeira, que transportava mais de 300 pessoas, causou a morte a 29 pessoas, entre as quais 14 crianças, tendo sido salvas 274.

A Grécia é a principal porta de entrada dos migrantes na Europa. Mais de 218 mil migrantes e refugiados atravessaram o Mediterrâneo para chegarem à Europa em outubro, dos quais 210 mil entraram na Grécia, principalmente na ilha de Lesbos, segundo o Alto Comissariado das Nações Unias para os Refugiados.

Lusa

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05