sicnot

Perfil

Mundo

Reino Unido teme que bomba tenha causado acidente do Sinai

O Governo britânico anunciou hoje a suspensão dos voos entre o Reino Unido e a estância balnear egípcia de Sharm el-Sheikh, por temer que uma bomba tenha causado o despenhamento do avião russo, no sábado, no Sinai.

© Peter Nicholls / Reuters

"Enquanto a investigação estiver em curso, não podemos dizer categoricamente porque é que o avião russo se despenhou, mas, à luz de novas informações, tememos que a queda do avião tenha sido provocada por um engenho explosivo", declarou uma porta-voz do primeiro-ministro britânico, David Cameron, sobre o acidente que fez 224 mortos, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

"Em consequência disso, decidimos, como medida de precaução, suspender os voos entre Sharm el-Sheikh e o Reino Unido", acrescentou a porta-voz.

O anúncio surge quatro dias depois de um Airbus russo se ter despenhado no norte do Sinai, matando todas as pessoas a bordo, apenas 23 minutos depois de descolar de Sharm el-Sheikh.

Membros do grupo 'jihadista' Estado Islâmico têm insistido que foram eles os responsáveis pela queda do avião, mas não forneceram pormenores, semeando o ceticismo quanto à veracidade da sua reivindicação.

"Reconhecemos que esta informação poderá causar preocupação a quem está em Sharm el-Sheikh e àqueles que estão a planear viajar para Sharm nos próximos dias", admitiu o gabinete do primeiro-ministro em comunicado.

"Enviámos para Sharm pessoal consular adicional, que estará disponível no aeroporto, trabalhando com as companhias aéreas, para assistir os cidadãos britânicos ali de férias", lê-se no documento.

Especialistas da aviação britânica foram enviados para Sharm el-Sheikh para avaliar a situação da segurança, e estão a ser efetuados voos de regresso daquela estância ao Reino Unido até que essa avaliação seja concluída, como esperado, ainda hoje, segundo o comunicado.

Cameron vai também convocar para hoje ainda uma reunião de emergência do conselho de ministros sobre este assunto.

"Sublinhamos que se trata de uma medida preventiva e que estamos a trabalhar de perto com as companhias aéreas nesta abordagem", refere ainda o comunicado do primeiro-ministro britânico.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.