sicnot

Perfil

Mundo

ONU condena número de execuções no Iraque

A Comissão dos Direitos Humanos da ONU instou hoje o Iraque a reduzir o uso frequente da pena de morte e a tomar medidas contra os abusos generalizados, como a tortura utilizada pela polícia como meio de obter confissões.

© Alaa Al-Marjani / Reuters

Os especialistas da comissão declaram-se "preocupados com o facto de os relatórios darem conta de um grande número de casos de condenação à pena de morte e da frequência da sua aplicação".

O Iraque efetuou cerca de 240 execuções nos últimos dois anos.

"Mas estamos ainda mais alarmados por haver mais de 1.700 pessoas" nos corredores da morte, afirmou um dos peritos, Yuval Shany, em conferência de imprensa.

A equipa de 18 especialistas independentes, que analisa os direitos cívicos e políticos no mundo, não recebeu qualquer estimativa do número de execuções levadas a cabo pelo grupo extremista Estado Islâmico nas regiões do Iraque que controla, sublinhou Shany.

A Comissão dos Direitos Humanos instou o Iraque a rever a sua legislação, que prevê atualmente a pena de morte para crimes que não são considerados pelo Direito Internacional como os "crimes mais graves".

O organismo da ONU lamentou igualmente que alguns crimes passíveis de pena de morte não possam ser examinados para beneficiarem de uma eventual comutação de pena e que algumas condenações à morte tenham resultado de confissões obtidas através de tortura.

A comissão deseja que as autoridades tomem "medidas vigorosas" para impedir e investigar a tortura e condena em particular o seu uso pela polícia como meio de obter confissões.

Os especialistas condenam também os casos de violação e agressão sexual de mulheres encarceradas, sobretudo das que são acusadas de terrorismo.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41