sicnot

Perfil

Mundo

Presidente egípcio recebido em Londres com manifestações pró e contra

A visita do Presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sissi, a Londres gerou hoje manifestações contra e a favor do regime egípcio, testemunhou a agência francesa AFP nas ruas da capital britânica.

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi.

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi.

© Amr Dalsh / Reuters

Segundo a AFP, cerca de 250 pessoas manifestaram-se hoje junto do número 10 de Downing Street (residência oficial e o escritório do primeiro-ministro do Reino Unido) para contestar a visita do Presidente egípcio à capital britânica, denunciando o clima de repressão que se vive no Egito e o golpe de Estado que colocou no poder o antigo chefe do exército egípcio.

No mesmo local, uma manifestação pró-Sissi reuniu cerca de 300 pessoas.

A polícia teve de intervir para conter as centenas de manifestantes que aguardavam a chegada de Abdel Fattah al-Sissi, que foi recebido em Downing Street pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron.

"Sissi não é bem-vindo, não à repressão no Egito" era uma das frases exibidas nos cartazes erguidos pelos manifestantes do protesto contra Sissi.

Muitos dos manifestantes envergavam 't-shirts' e bandeiras que mostravam uma mão com quatro dedos, numa alusão ao massacre de manifestantes islamitas na praça Rabaa Al-Adawiya em 2013, pouco tempo depois do golpe de Estado do exército egípcio que derrubou o presidente Mohamed Morsi e colocou Abdel Fattah al-Sissi no poder.

"Ele tomou o poder com a espada e matou. O mundo inteiro tem de saber que ele é um assassino e que não merece ser Presidente", afirmou um homem identificado como Abu Hamza, de 55 anos.

"Não deveria almoçar com o primeiro-ministro, deveria estar na prisão", disse Anne Alexander, membro do movimento Iniciativa de Solidariedade Egito.

No mesmo local, vários manifestantes pró-Sissi exibiam cartazes com várias frases de apoio como "Bem-vindo Sissi, és o nosso Presidente".

Para Magdi Khalil, dono de um restaurante, "o Egito estava perdido".

"Íamos pelo mesmo caminho que a Síria e a Líbia. Sissi e os militares salvaram o país", reforçou o empresário de 50 anos.

"Os anti-Sissi são mentirosos e traidores (...) colocam bombas, atacam a polícia. Estou em Londres para fazer um tratamento depois de ter sido baleado numa perna. Eles estão a tentar destruir o país", acusou um manifestante pró-Sissi, em declarações à AFP, que preferiu não ser identificado.

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.