sicnot

Perfil

Mundo

Vacinas contra HPV sem efeitos adversos

A administração de vacinas contra o vírus que provoca o cancro do colo do útero (papiloma vírus humano - HPV) não provoca efeitos adversos como dores e taquicardia, diz a Agência Europeia do Medicamento, num comunicado hoje divulgado.

(Reuterrs/Arquivo)

(Reuterrs/Arquivo)

© Jessica Rinaldi / Reuters

Citando um relatório do Comité de Avaliação de Riscos da Agência, conclui-se que não "há um nexo de causalidade" entre as vacinas e o desenvolvimento da síndrome de dor regional complexa ou síndrome de taquicardia.

A vacina é comercializada em Portugal desde 2006 e, nos primeiros três anos, foram notificados 21 casos de reações adversas, de acordo com a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), que considerou que o benefício da vacina era claramente superior ao risco.

Diz a Agência Europeia que as vacinas contra o HPV são dadas a jovens mulheres para as proteger do cancro cervical e de outras doenças provocadas pelo HPV, assim como de condições pré-cancerosas.

E acrescenta que, com estas conclusões, "não há razão para mudar a forma como as vacinas são usadas ou alterar as informações sobre o produto".

A Agência Europeia diz depois que, quer a síndrome de dor, quer a alteração da frequência cardíaca são situações que podem acontecer na generalidade da população, incluindo adolescentes, independentemente da vacinação.

O Comité, diz-se ainda no comunicado, reviu os dados existentes, as informações sobre os ensaios clínicos e os relatórios sobre casos suspeitos de efeitos secundários em pacientes e em profissionais de saúde. Analisou também dados fornecidos pelos Estados-membros e consultou especialistas e grupos de pacientes.

Estima-se, no comunicado, que os dois sintomas descritos (dor ou taquicardia) surgem em 150 jovens mulheres por cada milhão de habitantes, em cada ano.

E não foi encontrada nenhuma evidência de que estas taxas sejam diferentes em raparigas vacinadas.

Mais de 80 milhões de jovens mulheres já receberam a vacina, com uma taxa de cobertura da população alvo na ordem dos 90 por cento, em alguns países da União Europeia.

O cancro do colo do útero é responsável por "dezenas de milhar de mortes na Europa todos os anos", diz-se no comunicado, que acrescenta: "Os benefícios das vacinas contra o HPV continuam portanto a ser superiores aos riscos. A segurança destas vacinas, bem como de todos os medicamentos, continuará a ser cuidadosamente monitorizada".

Lusa

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Repórteres fazem relato impressionante dos acontecimentos em Charlottesville
    3:40