sicnot

Perfil

Mundo

Caixa negra confirma violência e caráter rápido da queda do avião no Egito

Os testes a uma das caixas negras do avião da companhia russa MetroJet que se despenhou na península egípcia do Sinai confirmaram o caráter "violento e rápido" dos acontecimentos que levaram à queda do aparelho, foi hoje divulgado.

© Stringer Russia / Reuters

A informação é avançada por uma fonte próxima deste dossiê em Paris, citada pela agência francesa AFP.

Segundo os dados fornecidos pela caixa, tecnicamente designada Flight Data Recorder (FDR) e que regista todos os parâmetros técnicos do voo, "tudo estava normal, absolutamente normal durante o voo, e de repente não há mais nada", indicou a mesma fonte.

"Isto dá a sensação de rapidez, do caráter imediato" dos acontecimentos, referiu a fonte, numa altura em que as duas caixas negras do aparelho, uma que contém os parâmetros do voo e outra que regista as conversas da tripulação, foram analisadas.

O Airbus A321 da companhia Metrojet caiu no sábado no Sinai, após ter descolado da estância balnear egípcia Sharm el-Sheikh com destino à cidade russa de São Petersburgo, causando 224 mortos.

A autoria do desastre foi reivindicada pelo grupo radical Estado Islâmico (EI).

As autoridades norte-americanas e britânicas declararam ser possível que um explosivo tenha causado a queda do avião, enquanto o Egito e a Rússia pediram paciência antes de tirar conclusões até que os resultados da investigação sobre o acidente sejam conhecidos.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".