sicnot

Perfil

Mundo

Layla, a menina de um ano que ficou curada de uma doença incurável

Um dia antes do primeiro aniversário de Layla Richards, foi dito aos pais que os tratamentos para a leucemia tinham falhado e que a menina ia morrer. A determinação da família, dos médicos e de uma companhia de biotecnologia levaram a que lhe fosse dada uma terapia experimental que apenas tinha sido tentada em ratos. Agora, alguns meses depois de ter sido dito à família que o cancro que Layla tinha era incurável, a menina não só está viva, como está feliz e a ter uma vida de criança sem nenhuma réstia de leucemia no corpo.

© Robert Pratta / Reuters

O tratamento "milagroso" era um pequeno frasco que se encheu com as células imunes geneticamente alteradas que foram criadas para matar o cancro, segundo noticia a BBC. Não há dúvidas de que este é um acontecimento que levanta questões sobre o futuro da medicina. Já há quem fale numa revolução - técnicas similares podem vir a ser usadas para tratar uma variedade de cancros, mas também doenças hereditárias, tais como a anemia.

Porém, este caso não é inédito. Por altura da mudança do milénio, cientistas entusiasmados e jornalistas proclamavam que a terapia dos genes iam transformar o Mundo. Todos os tipos da terapia dos genes-base envolvem a mudança do nosso ADN (ácido desoxirribonucleico), que contém as instruções para a construção e funcionamento de todas as partes do corpo humano. No início destas terapias, um novo ADN foi inserido nas células dos pacientes que tinham falhas ou instruções defeituosas.

Os casos mais conhecidos foram rapazes com o chamado "Síndrome do Rapaz da Bolha", nos anos 90. Não tinham um sistema imunitário e tinham de viver em condições completamente estéreis, devido a um defeito num gene chamado IL2RG. Este gene foi substituído com sucesso, com o uso de vírus para "infetar" células com uma cópia saudável do ADN, contudo, em última análise, os ensaios foram abandonados depois dos pacientes terem desenvolvido leucemia. O problema estava no ADN que foi inserido, praticamente, de forma aleatória e de tal modo que interrompeu o funcionamento natural de algumas células que se tornaram cancerígenas.

Desde essa altura que se tem apostado mais na precisão.

O que aconteceu no caso de Layla foi que os glóbulos brancos provenieram de um dador. "Talens", uma das três chaves da tecnologia que entraram em cena, foram usadas para manipular a proteção contra as drogas anti-cancerígenas a serem dadas ao paciente e para impedi-los de atacar o tecido saudável. Também um vírus foi utilizado para inserir um novo gene que poderia tornar a atacar as células de leucemia.

  • "Não vou ceder, não vou render-me, não vou desistir da candidatura"
    2:02
  • Obama, Presidente francês?
    1:55

    Mundo

    A resposta é óbvia, mas não demoveu quatro franceses, descontentes com os candidatos às Presidenciais no seu país. A ideia começou como brincadeira, mas já recolheu 43 mil assinaturas. 

  • Trump apanhado a ensaiar no carro
    1:08
  • Mulheres democratas de branco para mostrar que não abdicam dos diretos conquistados

    Mundo

    Uma "mancha branca" sobressaiu esta terça-feira no Congresso norte-americano, durante o primeiro discurso de Donald Trump. A maioria das 66 mulheres representantes e delegadas do Partido Democrata vestiram-se de branco, num ato simbólico a fazer recordar o movimento sufragista feminino, que encorajava as apoiantes a vestirem-se de branco. Tal como então, a cor da pureza foi agora recuperada, desta feita para mostrar a Trump que as mulheres não abdicam dos direitos conquistados no início do século XX.

  • Treinador do "The Biggest Loser" teve ataque cardíaco

    Mundo

    Foi o próprio Bob Harper que partilhou a notícia no seu Instagram. O ex-treinador do famoso programa de televisão sofreu um ataque cardíaco enquanto treinava no ginásio. Esteve oito dias internado mas, felizmente, já está em casa a recuperar.

  • Prisões recebem manual para lidar com fugas
    2:07

    País

    O Governo vai fazer o maior investimento de sempre nos serviços prisionais. São 2.600 milhões de euros para reforçar a segurança nas prisões. Entretanto. já foi distribuído um manual de procedimentos em caso de fuga.