sicnot

Perfil

Mundo

Croácia vai a votos enquanto migrantes entram no país e economia esmorece

Os croatas votam hoje em eleições gerais, enquanto o país enfrenta um afluxo contínuo de refugiados -- uma crise que campos políticos adversários tentaram explorar, quando faltam políticas concretas para iniciar a retoma da estagnada economia.

© Antonio Bronic / Reuters

Após quatro anos de um Governo de coligação centro-esquerda e seis anos de recessão, a oposição de direita tenta regressar ao poder nas primeiras eleições gerais na Croácia desde que aderiu à União Europeia, em 2013.

As sondagens mostram a conservadora Coligação Patriótica, liderada pelo partido HDZ, na dianteira, mas a confortável distância que tinha nos últimos meses foi eliminada pela aliança no poder, a Croácia A Crescer, liderada pelos social-democratas (SDP) e pelo primeiro-ministro, Zoran Milanovic.

Algumas vozes sustentam que a entrada no país, desde meados de setembro, de mais de 300.000 migrantes que se dirigem ao norte da Europa, forneceu a Milanovic uma distração bem-vinda, após um mandato dececionante em que falhou na criação de reformas muito aguardadas.

O chefe do executivo parece ter atravessado a ténue linha que separa a manifestação de compaixão e a defesa de interesses nacionais, primeiro, tratando com dureza a vizinha e ex-inimiga Sérvia e, mais recentemente, firmando um acordo para transportar migrantes pela sua fronteira partilhada de comboio.

Com uma campanha rica em retórica nacionalista, a oposição, liderada pelo ex-diretor dos serviços de informações Tomislav Karamarko, também contribuiu para a crise, primeiro exigindo controlos fronteiriços mais rígidos e, depois, criticando o tratamento dado pelo Governo aos migrantes.

Sendo a Croácia um país onde muitos sentem empatia com os refugiados, porque estiveram também eles deslocados em consequência da guerra nos anos 1990, o bloco de direita pareceu ter dificuldades sobre como abordar melhor essa questão.

As batalhas económicas que o país trava poderão não ser de imediato identificadas pelos estrangeiros que visitam pela primeira vez a capital, Zagreb, e as suas ruas elegantes e movimentadas e os cafés da moda.

Mas os problemas são agudos: a economia da Croácia tem um dos piores desempenhos da União Europeia, com a dívida pública em quase 90% do Produto Interno Bruto (PIB) e 16,2% de desemprego em setembro, 43,1% do qual entre jovens.

Embora se espere o retorno ao crescimento de quase 1% este ano, analistas dizem que faltaram à campanha eleitoral propostas reformistas sólidas.

Lusa

  • Eslovénia pondera vedação na fronteira com Croácia
    1:58

    Crise Migratória na Europa

    Depois da Hungria, agora é a Eslovénia que está a ponderar construir uma vedação para impedir a entrada de refugiados no país. O primeiro-ministro esloveno, Miro Cerar, diz que tem de pensar na segurança dos cidadãos e nos interesses do país, caso falhe o plano da União Europeia para conter o fluxo de migrantes na zona dos balcãs.

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • "A Venezuela sofreu um Madurazo"
    0:32
  • "Leiam os meus lábios. Não!"
    0:12

    Mundo

    Vladimir Putin participou esta quinta-feira numa conferência, no Ártico. Questionado sobre se a Rússia tinha interferido nas últimas eleições dos Estados Unidos da América, o Presidente voltou a negar qualquer interferência, com uma frase que pensava pertencer a Ronald Reagan, mas que na verdade foi proferida por George Bush.

  • A provocação de Juncker a Trump
    0:40

    Mundo

    Jean-Claude Juncker lançou esta quinta-feira uma provocação a Donald Trump. No último dia do congresso do PPE, o presidente da Comissão Europeia disse que, se Trump incentivar outros países a sair da União Europeia, ele próprio vai apoiar a independência do Ohio e do Texas