sicnot

Perfil

Mundo

Três iranianos decapitados na Arábia Saudita, 145 execuções desde janeiro

Três iranianos, condenados por tráfico de droga, foram hoje decapitados com um sabre na Arábia Saudita, elevando para 145 o número de execuções efetuadas desde janeiro naquele reino ultraconservador do Golfo Pérsico.

Os três homens tinham tentado introduzir por via marítima uma "grande quantidade de haxixe" na Arábia Saudita, informou o Ministério do Interior saudita.

Os iranianos foram executados na cidade portuária de Dammam, na zona leste do reino saudita.

Desde janeiro, 145 pessoas foram executadas na Arábia Saudita, segundo uma contagem realizada pela agência francesa AFP. Este valor ultrapassa de forma significativa o total de execuções registado no ano passado, 87.

Os crimes de violação, homicídio, apostasia (renegar a religião), assalto à mão armada e tráfico de droga são passíveis da pena de morte na Arábia Saudita, país que segue uma versão rigorosa da 'sharia' (lei islâmica).

As autoridades sauditas apresentam a dissuasão como o argumento chave para justificar a pena de morte.

Segundo a organização não-governamental Amnistia Internacional (AI), a Arábia Saudita figura entre os países que realizam o maior número de execuções no mundo, a par da China, Irão e dos Estados Unidos.

Lusa

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho