sicnot

Perfil

Mundo

Três iranianos decapitados na Arábia Saudita, 145 execuções desde janeiro

Três iranianos, condenados por tráfico de droga, foram hoje decapitados com um sabre na Arábia Saudita, elevando para 145 o número de execuções efetuadas desde janeiro naquele reino ultraconservador do Golfo Pérsico.

Os três homens tinham tentado introduzir por via marítima uma "grande quantidade de haxixe" na Arábia Saudita, informou o Ministério do Interior saudita.

Os iranianos foram executados na cidade portuária de Dammam, na zona leste do reino saudita.

Desde janeiro, 145 pessoas foram executadas na Arábia Saudita, segundo uma contagem realizada pela agência francesa AFP. Este valor ultrapassa de forma significativa o total de execuções registado no ano passado, 87.

Os crimes de violação, homicídio, apostasia (renegar a religião), assalto à mão armada e tráfico de droga são passíveis da pena de morte na Arábia Saudita, país que segue uma versão rigorosa da 'sharia' (lei islâmica).

As autoridades sauditas apresentam a dissuasão como o argumento chave para justificar a pena de morte.

Segundo a organização não-governamental Amnistia Internacional (AI), a Arábia Saudita figura entre os países que realizam o maior número de execuções no mundo, a par da China, Irão e dos Estados Unidos.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.