sicnot

Perfil

Mundo

Três iranianos decapitados na Arábia Saudita, 145 execuções desde janeiro

Três iranianos, condenados por tráfico de droga, foram hoje decapitados com um sabre na Arábia Saudita, elevando para 145 o número de execuções efetuadas desde janeiro naquele reino ultraconservador do Golfo Pérsico.

Os três homens tinham tentado introduzir por via marítima uma "grande quantidade de haxixe" na Arábia Saudita, informou o Ministério do Interior saudita.

Os iranianos foram executados na cidade portuária de Dammam, na zona leste do reino saudita.

Desde janeiro, 145 pessoas foram executadas na Arábia Saudita, segundo uma contagem realizada pela agência francesa AFP. Este valor ultrapassa de forma significativa o total de execuções registado no ano passado, 87.

Os crimes de violação, homicídio, apostasia (renegar a religião), assalto à mão armada e tráfico de droga são passíveis da pena de morte na Arábia Saudita, país que segue uma versão rigorosa da 'sharia' (lei islâmica).

As autoridades sauditas apresentam a dissuasão como o argumento chave para justificar a pena de morte.

Segundo a organização não-governamental Amnistia Internacional (AI), a Arábia Saudita figura entre os países que realizam o maior número de execuções no mundo, a par da China, Irão e dos Estados Unidos.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.