sicnot

Perfil

Mundo

Apenas 10% dos casais de Pequim se inscreveu para ter um segundo filho

Apenas 10% dos casais de Pequim se inscreveu para ter um segundo filho, desde que no ano passado a liderança chinesa decidiu aliviar a política de "um casal, um filho", imposta em 1980 e entretanto abolida.

© Jason Lee / Reuters


"A maior parte dos casais não quer aumentar o seu agregado familiar", notou hoje o jornal oficial chinês China Daily, citando dados da Comissão Municipal de Saúde e Planeamento Familiar.

O número de casais que se inscreveram para ter um segundo filho em Pequim (cerca de 55.851) ficou muito aquém dos 550.000 previstos pelas autoridades.

Os números ilustram a mudança de mentalidades nas grandes metrópoles chinesas, onde muitos jovens rompem com a tradição, optando por casar tarde e ter apenas um filho, independentemente da flexibilização ditada pelo Governo.

A China, nação mais populosa do mundo com 1.370 milhões de habitantes, decidiu no mês passado abolir a política de "um casal, um filho", pondo fim a um rígido controlo da natalidade que durava há mais de 30 anos.

A medida, que deverá ser progressivamente implantada, significa um alargamento da flexibilização da política de filho único, iniciada em 2014 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos terem uma segunda criança.

"A questão agora é saber quem é que tem tempo e dinheiro para criar duas crianças?", comentou na altura à agência Lusa um funcionário de um órgão estatal chinês.

A taxa de fertilidade no país, que na década de 1970 era 4,77 filhos por mulher, desceu em 2013 para 1,4, atingindo quase o nível de alerta de 1,3, considerado globalmente como "a armadilha da baixa fertilidade".

Segundo dados oficiais, em 2050, um terço da população chinesa terá 60 ou mais anos e haverá menos trabalhadores para sustentar cada reformado.

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42