sicnot

Perfil

Mundo

Austríaca destrói, por vingança, um milhão de euros antes de morrer

Terá sido por vingança para deixar os herdeiros de bolsos vazios. É esta a tese da polícia austriaca. Uma idosa de 85 anos, antes de morrer, cortou uma a uma, as notas de 100 e 500 euros e deixou os pedaços espalhados em cima da cama. O dinheiro esquartejado foi encontrado após a sua morte.

© Pichi Chuang / Reuters

Cinco dias antes de morrer a idosa mudou-se para um lar. Levou dinheiro, cerca de 950 mil euros, e cadernetas de contas poupança.

Quando foi encontrada morta, os funcionários do lar deram de caras com uma descoberta insólita: notas de 100 e 500 euros rasgadas minuciosamente, bem como as cadernetas bancárias.

De acordo com a polícia, a intenção da senhora seria evitar que os herdeiros recebessem o dinheiro. Em vão.

É que o Banco Central austríaco que está disposto a substituir o dinheiro destruído. "Se os herdeiros conseguirem encontrar apenas os restos das notas e a sua origem for comprovada, podem ser substituídas", disse Friedrich Hammerschmidt ao jornal Kurier.

A polícia e a procuradoria não encontraram razões para investigar já que, acreditam, não foi cometido qualquer crime.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho