sicnot

Perfil

Mundo

Camionistas brasileiros em greve contra preço do combustível

Camionistas brasileiros iniciaram hoje uma greve e um bloqueio de estradas em vários estados do Brasil para exigir a diminuição dos preços do combustível e a demissão da Presidente do país, Dilma Rousseff.

(Arquivo)

(Arquivo)

© STRINGER Brazil / Reuters

A greve foi convocada pelo Comando Nacional dos Transportes, um grupo independente que pediu aos camionistas para protestarem contra um Governo, que considerou não ter "mais legitimidade" e de estar a "arruinar o Brasil".

"Dilma tem de sair. Queremos que seja acusada. Vamos estar aqui até que se demita", disse o camionista André Vilar Gonçalves, de 33 anos, num bloqueio onde participavam 300 camionistas no sudeste do estado de Minas Gerais.

Dilma Rousseff, que iniciou um novo mandato de quatro anos em janeiro, tem visto o seu índice de popularidade em queda, com a economia brasileira, sétima maior do mundo, em recessão.

Os problemas de Dilma Rousseff aumentaram depois de terem sido reveladas irregularidades e um esquema de corrupção de vários mil milhões de dólares na petrolífera estatal Petrobas.

Os camionistas decidiram fazer a greve depois de três aumentos consecutivos do preço do combustível.

Os dois maiores sindicatos do setor demarcaram-se da greve e o porta-voz da Presidência brasileira considerou que tem apenas como objetivo "prejudicar o Governo".

A polícia informou que os camionistas encerraram estradas em dez estados do país e que está já a afetar os principais centros económicos, incluindo São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais.

Lusa

  • Alterações nos horários das farmácias têm o objetivo de evitar duplicação de serviços
    1:50
  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),