sicnot

Perfil

Mundo

Camionistas brasileiros em greve contra preço do combustível

Camionistas brasileiros iniciaram hoje uma greve e um bloqueio de estradas em vários estados do Brasil para exigir a diminuição dos preços do combustível e a demissão da Presidente do país, Dilma Rousseff.

(Arquivo)

(Arquivo)

© STRINGER Brazil / Reuters

A greve foi convocada pelo Comando Nacional dos Transportes, um grupo independente que pediu aos camionistas para protestarem contra um Governo, que considerou não ter "mais legitimidade" e de estar a "arruinar o Brasil".

"Dilma tem de sair. Queremos que seja acusada. Vamos estar aqui até que se demita", disse o camionista André Vilar Gonçalves, de 33 anos, num bloqueio onde participavam 300 camionistas no sudeste do estado de Minas Gerais.

Dilma Rousseff, que iniciou um novo mandato de quatro anos em janeiro, tem visto o seu índice de popularidade em queda, com a economia brasileira, sétima maior do mundo, em recessão.

Os problemas de Dilma Rousseff aumentaram depois de terem sido reveladas irregularidades e um esquema de corrupção de vários mil milhões de dólares na petrolífera estatal Petrobas.

Os camionistas decidiram fazer a greve depois de três aumentos consecutivos do preço do combustível.

Os dois maiores sindicatos do setor demarcaram-se da greve e o porta-voz da Presidência brasileira considerou que tem apenas como objetivo "prejudicar o Governo".

A polícia informou que os camionistas encerraram estradas em dez estados do país e que está já a afetar os principais centros económicos, incluindo São Paulo, Santa Catarina e Minas Gerais.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11