sicnot

Perfil

Mundo

Dezasseis polícias feridos em confrontos com migrantes perto do porto de Calais

Dezasseis polícias ficaram feridos durante a noite em confrontos ocorridos com migrantes num acampamento localizado nas proximidades do porto da cidade francesa de Calais, anunciou a autarquia.

(Arquivo)

(Arquivo)

Emilio Morenatti/ AP

"Por volta das 23:00 horas (22:00 horas em Lisboa) de domingo, vários grupos de migrantes, perto de 200, tentaram atrasar e bloquear o tráfico numa via da região portuária de Calais", disse o porta-voz da autarquia da cidade francesa, onde se localiza o canal rodoviário e ferroviário da Mancha, que liga o país à Inglaterra.

De acordo com o porta-voz, "os migrantes (...) atiraram vários objetos sobre o acesso viário", e os polícias tiveram de usar gás lacrimogéneo para os repelir.

A calma regressou por volta da meia-noite (em Lisboa), indicou a autarquia.

As pedras lançadas pelos migrantes provocaram ferimentos ligeiros em polícias no local.

Segundo uma fonte policial, as forças de segurança utilizaram cerca de 300 granadas de gás lacrimogéneo.

"Estamos preocupados, se algum dia acontecer uma revolta no campo, vai ser a loucura", afirmou Gilles Debove, responsável local de um sindicato da polícia, assinalando que esta foi a primeira vez que ocorreu violência contra a polícia.

Cerca de seis mil migrantes -- que vêm essencialmente da África Oriental, Médio Oriente e Afeganistão - estão amontoados em condições muito precárias numa espécie de bairro da lata situado a uma hora a pé do centro de Calais.

Os migrantes têm a esperança de entrar clandestinamente na Inglaterra, mas o acesso ao túnel que atravessa o canal da Mancha tornou-se extremamente difícil, depois de ter sido reforçada a segurança no local.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.