sicnot

Perfil

Mundo

Obama e Netanyahu destacam solidez das relações entre EUA e Israel

O Presidente norte-americano, Barack Obama, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, realçaram hoje em Washington, mesmo sem esconder as suas divergências, os fortes laços que existem entre os dois países.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israeltita ao lado de Barack Obama, Presidente dos Estados Unidos da América.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israeltita ao lado de Barack Obama, Presidente dos Estados Unidos da América.

© Kevin Lamarque / Reuters

Este foi o primeiro encontro entre Obama e Netanyahu desde outubro de 2014 e o primeiro desde a assinatura do acordo nuclear com o Irão.

Ao receber Netanyahu na Sala Oval (gabinete do Presidente norte-americano), Barack Obama saudou a "ligação extraordinária" que existe entre os Estados Unidos e Israel.

Por sua vez, o primeiro-ministro israelita declarou que este encontro na Casa Branca é uma oportunidade para reforçar "a amizade, que é forte, e a aliança, que é forte" entre os dois países.

"Como já disse muitas vezes, a segurança de Israel é uma das minhas prioridades em termos de política externa", prosseguiu Obama.

Insistindo na ideia que o Estado hebreu tem não só o direito, mas também a obrigação de se defender, o Presidente norte-americano condenou fortemente a vaga de violência que tem recentemente afetado os territórios palestinianos e Jerusalém.

"Condenamos de forma muito forte a violência palestiniana contra cidadãos israelitas inocentes", reforçou o chefe de Estado norte-americano.

Desde 01 de outubro, a recente vaga de violência fez 75 mortos do lado palestiniano, incluindo um árabe israelita, e 10 vítimas mortais do lado israelita nos territórios palestinianos, em Jerusalém ou em outras zonas de Israel.

A maioria das vítimas palestinianas morreu quando planeava ou perpetrava ataques, segundo as autoridades israelitas.

Ladeado por Obama, o primeiro-ministro israelita manifestou a sua determinação para encontrar uma solução para o conflito israelo-palestiniano.

"Não abandonámos as nossas esperanças para a paz, nunca iremos fazer isso" disse o governante israelita, afirmando que o seu compromisso em relação a uma solução de "dois Estados" passa por "um Estado palestiniano desmilitarizado que reconheça o Estado judeu".

Em março último, durante a campanha eleitoral, o primeiro-ministro israelita distanciou-se da ideia de um Estado palestiniano, tendo posteriormente recuperado o conceito após a sua reeleição.

O episódio irritou na altura a Casa Branca, que pediu a Netanyahu para mostrar um "compromisso genuíno" em relação a uma solução de dois Estados.

Ainda diante da comunicação social na Casa Branca, Obama disse que pretendia abordar no encontro com Netanyahu o acordo sobre o programa nuclear iraniano, alcançado no verão passado em Viena (Áustria), sublinhando que "o profundo desacordo" com o primeiro-ministro israelita sobre esta matéria "não era segredo para ninguém".

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.