sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento catalão aprova hoje resolução que arranca processo de independência

O Parlamento da Catalunha aprova hoje a resolução acordada entre os partidos independentistas Junts pel Sí e CUP que arranca oficialmente o processo soberanista da região, horas antes do debate de investidura de Artur Mas como presidente.

reuters

O plenário extraordinário do parlamento catalão para votar a resolução da Junts pel Sí (lista que ganhou as eleições autonómicas de 27 de setembro) e da CUP (Candidatura de Unidade Popular, esquerda-radical) tem início às 10:00 (menos uma hora em Lisboa).

O debate realiza-se precisamente um ano depois de uma consulta popular realizada na Catalunha (após o Tribunal Constitucional ter proibido um referendo oficial) e na qual participaram 2,5 milhões de catalães (80% dos quais votou por uma Catalunha independente de Espanha). A Constituição espanhola proíbe referendos sobre a independência de regiões quando o universo de votantes não abrange todos os espanhóis.

Os 62 deputados da Junts pel Sí e os 10 da CUP garantem a aprovação da resolução, rejeitada pelos partidos ditos "constitucionalistas" (PP, PSC, Ciudadanos e, embora de forma menos clara, a Catalunya Si que es Pot, apoiada pelo Podemos).

O Governo central espanhol, liderado por Mariano Rajoy (PP, Direita) já afirmou que recorrerá da resolução perante o Tribunal Constitucional, provavelmente terça-feira, após escutar o parecer do Conselho de Estado e aprovar a medida em Conselho de Ministros.

O Executivo poderá pedir ao TC a suspensão cautelar da resolução mediante a aplicação do artigo 161 da Constituição, que prevê a suspensão automática durante cinco meses de uma norma autonómica impugnada pelo Governo central.

A questão mais complicada é que a própria resolução da Junts e da CUP sublinha que o processo independentista "não estará submetido às decisões das instituições do Estado espanhol, em particular do Tribunal Constitucional", organismo no qual não reconhecem legitimidade.

A resolução inicia o processo de "criação do Estado catalão independente" que, sublinham a Junts e a CUP, "terá a forma de república".

Caso o TC aceite o recurso do executivo espanhol, a iniciativa parlamentar catalã poderia ficar suspensa, mas os termos da própria resolução tornam mais imprevisível a reação dos partidos independentistas e a posterior contra-resposta do Governo, que até poderá recorrer ao artigo 155 da Constituição, uma espécie de "bomba atómica" que suspende a autonomia da Catalunha.

Também hoje, mas às 17:00 (16:00 em Lisboa), inicia-se o debate de investidura de Artur Mas como presidente da Catalunha, com um discurso do próprio a apresentar o seu programa de governo, assente sobretudo no processo soberanista.

Só na terça-feira à tarde, depois de intervenções de todos os líderes, haverá a primeira votação, na qual Mas teria de ter maioria absoluta (ou seja pelo menos 68 deputados). Como a Junts pel Sí tem apenas 62 deputados teria de contar com seis da CUP, que já se mostrou contra a sua investidura.

De acordo com as regras, só dois dias depois é que poderá haver nova votação. Mas neste caso, Artur Mas já só precisa de maioria simples, o que ainda assim implica pelo menos dois deputados da CUP e a abstenção dos restantes oito.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.