sicnot

Perfil

Mundo

Segunda vítima mortal após rutura de barragem no Brasil, 25 estão desaparecidas

Autoridades confirmaram hoje a identificação da segunda vítima mortal da rutura de uma barragem mineira na cidade de Mariana, na zona rural de Minas Gerais, no sudeste brasileiro, que deixou 25 pessoas desaparecidas.

Reuters

Reuters

© Ricardo Moraes / Reuters

A segunda vítima fatal identificada é o motorista Sileno Narkievicius de Lima, que prestava serviços à mineradora Samarco, responsável pelas barragens, e foi soterrado após a rutura de duas das quatro barragens no local.

A tragédia, ocorrida na última quinta-feira, destruiu centenas de casas na localidade de Bento Rodrigues, vizinha à Mariana, atingida pelo deslizamento de lamas.

A primeira morte confirmada foi a de um homem que teve um mal súbito após a rutura das barragens. Segundo a imprensa local, outros dois corpos foram encontrados na região, mas ainda serão periciados para saber se há uma ligação direta com a tragédia.

O Governo do Estado do Espírito Santo, vizinho a Minhas Gerais, formou um comité de emergência para analisar as cidades de Colatina, Linhares e Baixo Guandu, que deverão ser atingidas pela lama com desperdícios de minérios que rompeu as barragens em Mariana.

Serão dados alertas à população que vive próxima do Rio Doce sobre a chegada da lama e estudam-se formas de garantir o abastecimento de água, segundo o diário "O Estado de São Paulo".

Moradores de Mariana manifestaram-se hoje para pedir um posicionamento mineradora Vale, que é acionista da Samarco, responsável pelas barragens na cidade.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.