sicnot

Perfil

Mundo

Segunda vítima mortal após rutura de barragem no Brasil, 25 estão desaparecidas

Autoridades confirmaram hoje a identificação da segunda vítima mortal da rutura de uma barragem mineira na cidade de Mariana, na zona rural de Minas Gerais, no sudeste brasileiro, que deixou 25 pessoas desaparecidas.

Reuters

Reuters

© Ricardo Moraes / Reuters

A segunda vítima fatal identificada é o motorista Sileno Narkievicius de Lima, que prestava serviços à mineradora Samarco, responsável pelas barragens, e foi soterrado após a rutura de duas das quatro barragens no local.

A tragédia, ocorrida na última quinta-feira, destruiu centenas de casas na localidade de Bento Rodrigues, vizinha à Mariana, atingida pelo deslizamento de lamas.

A primeira morte confirmada foi a de um homem que teve um mal súbito após a rutura das barragens. Segundo a imprensa local, outros dois corpos foram encontrados na região, mas ainda serão periciados para saber se há uma ligação direta com a tragédia.

O Governo do Estado do Espírito Santo, vizinho a Minhas Gerais, formou um comité de emergência para analisar as cidades de Colatina, Linhares e Baixo Guandu, que deverão ser atingidas pela lama com desperdícios de minérios que rompeu as barragens em Mariana.

Serão dados alertas à população que vive próxima do Rio Doce sobre a chegada da lama e estudam-se formas de garantir o abastecimento de água, segundo o diário "O Estado de São Paulo".

Moradores de Mariana manifestaram-se hoje para pedir um posicionamento mineradora Vale, que é acionista da Samarco, responsável pelas barragens na cidade.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.