sicnot

Perfil

Mundo

Comemorações da independência de Angola manchadas pela repressão

A Amnistia Internacional considera que a repressão e os abusos dos direitos humanos, como as recentes detenções de ativistas, vão manchar as comemorações dos 40 anos de independência de Angola.

"O estrangulamento da liberdade de expressão em Angola provocado pelo Presidente José Eduardo dos Santos e as décadas de medo e de repressão exercidos pelo seu Governo vão manchar de forma indelével os 40 anos da independência do país", refere um comunicado da organização internacional.

No documento, a Amnistia Internacional (AI) refere que nos últimos anos aqueles que enfrentaram o poder do Presidente José Eduardo dos Santos foram sujeitos a "assassínios extrajudiciais, desaparecimentos forçados, prisões arbitrárias e torturas praticadas pelas forças de segurança do Estado".

"Quarenta anos após a independência, muitos angolanos ainda têm um longo caminho pela frente até conseguirem exercer com liberdade os direitos humanos. Aqueles que expressam pontos de vista diferentes do regime são submetidos a tratamentos brutais. A independência também devia ser sobre o direito das pessoas em se expressarem de forma livre", sublinhou Muleya Mwananyanda, subdiretora da Amnistia Internacional para o Sul do continente africano.

"Muitos ativistas de direitos humanos sofrem neste momento nas cadeias apenas por pedirem respeito pelos direitos humanos. O Estado está a usar a polícia e o sistema judiciário para promover o medo e silenciar as vozes críticas", acrescentou Mwananyanda.

O comunicado refere-se diretamente aos recentes casos que envolvem detidos, considerados presos de consciência, frisando que enquanto os "dignitários e líderes estrangeiros" estiverem a participar nas comemorações do 11 de novembro, "pelo menos 16 ativistas" continuam detidos nas prisões angolanas.

No texto, a AI frisa que as autoridades continuam a usar táticas repressivas que incluem prisões e detenções arbitrárias e outras formas de intimidação no sentido da supressão da liberdade de associação pacífica e de expressão, indicando o caso dos ativistas detidos desde junho, incluindo Luaty Beirão, que cumpriu 36 dias de greve de fome em protesto pela arbitrariedade da detenção a que se encontram sujeitos.

O comunicado refere que o grupo de ativistas acusados de rebelião começa a ser julgado no dia 16 de novembro mas que o regime de prisão preventiva excedeu os 90 dias permitidos pela lei.

A AI inclui no documento sobre a independência de Angola os casos de Marcos Mavungo, condenado a seis anos de cadeia por rebelião em Cabinda.

O processo judicial que envolve o autor do livro "Diamantes de Sague", o jornalista Rafael Marques, e que ainda decorre no Tribunal Provincial de Luanda, também é destacado pela Amnistia Internacional.

"Angola deve cumprir as suas obrigações legais e proteger os direitos humanos consagrados na Constituição assim como respeitar os tratados internacionais com que se comprometeu. As autoridades não devem violar os direitos humanos dos cidadãos impunemente", conclui Muleya Mwananyanda.

Angola assinala na quarta-feira, 11 de novembro, os 40 anos da data em que o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) proclamou a República Popular de Angola em Luanda.

No mesmo dia, a União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), de Jonas Savimbi, e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), de Holden Roberto, proclamaram igualmente a independência do país, em clima de guerra civil.

A data da independência foi fixada nos acordos do Alvor (janeiro de 1975) entre Portugal e os três movimentos de libertação.

Lisboa só reconheceu a República Popular de Angola em fevereiro de 1976.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.