sicnot

Perfil

Mundo

Observadores internacionais elogiam legislativas em Myanmar

Os observadores estrangeiros consideraram hoje "pacíficas e livres" as legislativas de domingo em Myanmar, cuja contagem é liderada pelo partido da opositora e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi.

O chefe da equipa de observadores da UE afirmou que, em geral, a votação foi "pacífica e superou as expetativas"

O chefe da equipa de observadores da UE afirmou que, em geral, a votação foi "pacífica e superou as expetativas"

© Olivia Harris / Reuters

O chefe da equipa de observadores da UE, Alexander Lambsdorff, afirmou que, em geral, a votação foi "pacífica e superou as expetativas".

O político alemão sublinhou que "não se pode falar de umas eleições genuínas e de acordo com padrões internacionais, enquanto pelo menos uma câmara não for totalmente escolhida nas urnas", numa referência aos 25 por cento dos assentos reservados para os militares nos parlamentos nacional e regionais.

Até 150 observadores da UE acompanharam a campanha eleitoral, a votação, em meio milhar de assembleias de voto, e o escrutínio dos boletins pela Comissão Eleitoral birmanesa.

A votação decorreu "notavelmente bem" em 95% das assembleias de voto visitadas pelos observadores e só em 7% se registaram casos de eleitores impedidos de votar por não constarem dos cadernos eleitorais, afirmou.

O chefe dos observadores da UE manifestou-se preocupado pela situação de mais de meia centena de candidatos muçulmanos desqualificados pela Comissão Eleitoral, bem como a de alguns eleitores de algumas minorias impedidos de votar, como os 'rohingyas' muçulmanos.

Mais de meio milhão de 'rohingyas' participaram nas eleições de 2010, mas este ano o governo retirou-lhes o direito de voto.

"Se puderam votar em eleições anteriores, é difícil perceber porque não puderam agora", disse Lambsdorff, que lamentou a falta de transparência na gestão da votação antecipada, à qual os observadores internacionais não tiveram acesso.

A equipa europeia considerou que as autoridades birmanesas também deviam avaliar a presença reduzida de mulheres candidatas, que só representaram pouco mais de 13% em cerca de seis mil candidatos em todo o país.

Lambsdorff, que apresentou um relatório preliminar, informou que a equipa vai ficar em em Myanmar até ao início de dezembro e as conclusões finais sobre as legislativas serão apresentadas em abril.

Os observadores da Rede Asiática para Eleições Livres (ANFREL, sigla em inglês) qualificaram as legislativas birmanesas de "livres e justas", num relatório preliminar apresentado hoje.

O chefe da equipa da ANFREL, Damaso Magbual, afirmou que estas eleições foram um "passo importante" no processo de democratização plena do país, sob ditaduras militares desde 1962.

As duas equipas de peritos internacionais consideraram que o processo só estará terminado quando a Comissão Eleitoral concluir a contagem dos votos, publicar os resultados, em data ainda a anunciar, e todas as partes aceitarem o resultado.

Até agora, dos 88 lugares (dos 330 a preencher) da câmara baixa do parlamento, 78 foram atribuídos à Liga Nacional para a Democracia (LND, sigla em inglês) de Suu Kyi, de acordo com a Comissão Eleitoral.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, felicitaram os birmaneses pela realização de "eleições históricas" no caminho para a democracia.

Lusa

  • Partido de Aung San Suu Kyi com "confortável vantagem"

    Mundo

    A Liga Nacional para a Democracia, em Myanmar, tem uma "confortável vantagem". O partido da líder da oposição de Myanmar, Aung San Suu Kyi, ganhou 12 assentos parlamentares, de acordo com a Comissão de Eleições birmanesa, que começou a anunciar os resultados das primeiras eleições livres em 25 anos.

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.