sicnot

Perfil

Mundo

Palestinianos dizem ter identificado autor do "assassinato" de Yasser Arafat

A comissão de inquérito palestiniana à morte de Yasser Arafat identificou o autor do "assassinato" do antigo Presidente da Autoridade Palestiniana, disse hoje à AFP o seu chefe, Tawfiq Tirawi, responsabilizando mais uma vez Israel

© Reuters Photographer / Reuter

Esta declaração ocorre na véspera das comemorações do 11.º aniversário da morte do emblemático dirigente palestiniano.

"A comissão de inquérito conseguiu identificar o assassino do defunto Presidente Yasser Arafat", afirmou Tirawi, recusando-se a divulgar mais informações sobre o suspeito ou o desenvolvimento do inquérito.

"Vai ser preciso mais tempo para esclarecer as condições exatas do crime", acrescentou, assegurando, porém, que "Israel é responsável pelo assassinato", que os palestinianos investigam desde 2009.

A esposa de Arafat, Soha, apresentou queixa contra desconhecidos, depois da descoberta de polonium 210, uma substância radioativa muito tóxica, nos pertences pessoais do seu marido.

Em novembro de 2012, o túmulo do ex-chefe palestiniano tinha sido aberto e cerca de 60 amostras retiradas do seu cadáver e depois divididos para análise por três equipas de técnicos suíços, franceses e russos.

Os analistas mandatados pelos juízes franceses afastaram por duas vezes a tese do envenenamento. Os peritos russos concluíram por uma "morte natural". Mas, ao contrário, os suíços solicitados pela viúva consideraram, pela sua parte, que os resultados "apoiam razoavelmente a hipótese do envenenamento" com polonium.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.