sicnot

Perfil

Mundo

Turquia rejeita críticas da UE sobre respeito do Estado de direito e imprensa

A Turquia rejeitou as críticas feitas hoje pela União Europeia sobre o respeito do Estado de direito e da liberdade de imprensa no seu relatório anual sobre o estado da candidatura de Ancara a uma adesão à UE.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Murad Sezer / Reuters

As críticas são "injustas e mesmo desproporcionadas", reagiu o Ministério dos Assuntos Europeus turco num comunicado, classificando de "inaceitáveis" os comentários sobre os poderes do presidente islamo-conservador Recep Tayyip Erdogan.

A UE criticou hoje uma "tendência negativa" para o Estado de direito na Turquia e "graves retrocessos" na liberdade de expressão, numa altura em que o bloco europeu negoceia com Ancara a melhoria da cooperação relativamente à crise migratória.

"Após vários anos de progresso da liberdade de expressão, foram observados graves retrocessos nos dois últimos anos", lamenta o executivo comunitário, que saúda, por outro lado, o esforço que representa o acolhimento de dois milhões de refugiados sírios e iraquianos na Turquia.

O ministério turco sublinhou que o governo, que gere o país há 12 anos, fez aprovar nos últimos anos várias reformas para reforçar um poder judicial "independente e objetivo" e a liberdade de expressão em geral.

No comunicado, o ministério afirmou igualmente ter em conta "críticas justas e razoáveis" apresentadas no relatório da Comissão Europeia.

Lusa

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Cogumelos alucinogénios entre as drogas mais seguras

    Mundo

    Os cogumelos alucinogénios são considerados uma das drogas mais seguras, quando consumidos para fins recreativos. A conclusão é avançada no Global Drug Survey, um estudo anual divulgado esta quarta-feira sobre os hábitos de consumo de drogas de quase 120 mil pessoas em 50 países.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.