sicnot

Perfil

Mundo

Chefe do exército birmanês felicita Suu Kyi por vitória nas eleições

O chefe do exército birmanês felicitou hoje a líder da oposição Aung San Suu Kyi pela vitória por maioria nas eleições gerais de domingo passado, antes mesmo da publicação dos resultados finais oficiais do escrutínio.

Min Aung Hlaing, chefe do exército birmanês.

Min Aung Hlaing, chefe do exército birmanês.

© POOL New / Reuters

"Felicitamos a Liga Nacional para a Democracia (LND, sigla em inglês) pela conquista da maioria dos assentos" no Parlamento, afirmou o general Min Aung Hlaing, num comunicado divulgado na página oficial dos militares na rede social Facebook.

Na mesma nota, o general acrescentou que irá encontrar-se com Aung San Suu Kyi depois de as autoridades eleitorais divulgarem os resultados oficiais.

"Como um governo, submetemo-nos à escolha dos eleitores e vamos transferir pacificamente o poder", anunciou, momentos antes, o ministro da Informação, Ye Htut, num comunicado.

O mesmo representante acrescentou que "discussões" terão lugar após a publicação dos resultados definitivos.

Apesar da contagem de votos prosseguir, a LND, que está a aproximar-se da barreira dos 67% necessários para obter a maioria, já conquistou 179 dos 323 lugares da câmara baixa do Parlamento (contra 17 do USDP, partido no poder), segundo a última contagem.

A Birmânia foi governada por regimes militares de 1962 a 2011, quando a última junta entregou o poder a um executivo civil, composto por antigos militares, que iniciou uma série de reformas políticas, económicas e sociais.

Suu Kyi, de 70 anos, esteve detida mais de 15 anos durante a ditadura militar por exigir pacificamente reformas democráticas no país. Em 1991, a opositora birmanesa ganhou o prémio Nobel da Paz.

A Birmânia realizou no domingo as primeiras eleições livres em mais de 25 anos.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.