sicnot

Perfil

Mundo

Obama deverá validar orçamento que exige relatório sobre Base das Lajes

O Presidente dos Estados Unidos deverá assinar a lei de Orçamento das Forças Armadas, que foi alterada depois do seu veto no mês passado e que exige a elaboração de um relatório sobre a Base das Lajes.

(arquivo)

(arquivo)

© Jonathan Ernst / Reuters

"É esperado que o Presidente assine a lei desta vez, porque a sua principal disputa com os Republicanos, sobre os níveis de despesa, foi resolvida no acordo orçamental", disse hoje uma fonte da Câmara dos Representantes à agência Lusa.

A nova lei, que foi revista depois do veto de Barack Obama no final de novembro, foi aprovada pela Câmara dos Representantes na semana passada e pelo Senado na terça-feira, seguindo agora para a secretária de Obama, que terá 10 dias para a aprovar ou vetar.

O orçamento continua a proibir que quaisquer fundos sejam usados para transferir prisioneiros da prisão de Guantanamo até ao final do próximo ano.

No limite, isto significa que Obama falhará uma das suas grandes promessas eleitorais em 2008: o fecho desta prisão que acolheu suspeitos de terrorismo após os atentados de 11 de setembro de 2001.

A Casa Branca já classificou essas provisões como "contraproducentes", mas não ameaçou com um veto como da última vez.

Isto acontece porque a maior reserva de Barack Obama, que se prendia com 38 mil milhões de dólares (35 mil milhões de euros) extra em despesas de guerra, foi resolvida com o acordo orçamental.

A nova versão da lei inclui cortes de 5 mil milhões de dólares (cerca de 4,6 mil milhões de euros), incluindo 250 milhões de dólares no Fundo para Parcerias de Contra-Terrorismo e mil milhões em combustíveis.

Este orçamento exige também que o departamento da Defesa produza até 01 de março de 2016 um relatório sobre as valências da base das Lajes, incluindo sobre a sua capacidade de receber um centro de informações.

"Nenhum montante deve ser utilizado na construção do Centro de Análise Conjunta de Informações, na Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, conforme secção 2301(b), até a Secretaria de Defesa certificar os comités de defesa da Câmara que determinou, com base numa análise dos requisitos operacionais, que esta localização permanece a localização ótima", lê-se no orçamento.

O documento diz ainda que o relatório deve incluir uma explicação para os fundamentos da decisão, bem como uma avaliação das capacidades das Lajes para acolher treinos de pilotos de caça e a presença rotativa de forças navais.

A Câmara dos Representantes está a investigar a manipulação de estudos que justificam a construção deste centro de informações em Inglaterra.

Em junho, a Lusa noticiou uma série de iniciativas legislativas da Câmara dos Representantes que suspendem a construção deste complexo no Reino Unido até ser provado que a Base das Lajes não pode cumprir essa função.

O novo complexo está planeado para a base de Croughton, em Inglaterra, e ao reunir várias agências e organismos dos serviços de informações será o maior deste género fora do território norte-americano.

A sua construção está orçamentada em 317 milhões de dólares (cerca de 281 milhões de euros).

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.