sicnot

Perfil

Mundo

Soldado morto no leste da Ucrânia

Um soldado ucraniano foi morto em confrontos no leste separatista da Ucrânia, onde depois de dois meses de calma graças a um novo cessar-fogo os combates se intensificaram nos últimos dias.

© Gleb Garanich / Reuters

"Perdemos um militar nas últimas 24 horas e outros cinco foram feridos", informou hoje o porta-voz militar ucraniano Andrii Lisenko.

Segundo a mesma fonte, os rebeldes separatistas pró-russos atacaram 21 vezes as posições do exército ucraniano ao longo da linha da frente, "obrigando os soldados a ripostar".

Os incidentes ocorreram perto da aldeia de Granite, 50 quilómetros a sul do bastião rebelde de Donetsk, precisou.

O conflito armado no leste da Ucrânia, que segundo a ONU fez mais de 8.000 mortos desde abril de 2014, conheceu um considerável apaziguamento desde a instauração de um novo cessar-fogo em setembro.

Nas últimas semanas, contudo, os confrontos reacenderam-se, sobretudo durante a noite, e vários soldados ucranianos foram mortos.

Para o secretário do Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, Olexandr Tourchinov, essa escalada justifica-se porque "as tropas de ocupação russa fazem tudo para fazer fracassar o processo de paz".

A Ucrânia e os seus aliados ocidentais acusam a Rússia de apoiar militarmente a rebelião separatista do leste do país e de ter destacado tropas para aquela região, acusações que a Rússia nega.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.