sicnot

Perfil

Mundo

Efeito do aquecimento em glaciar da Gronelândia preocupa cientistas

A forma e o deslocamento do Zachariae Isstrom, um enorme glaciar da Gronelândia, mudou dramaticamente nos últimos anos, alertou esta quinta-feira Jeremie Mouginot, investigador do departamento científico da Universidade Californiana de Irvine (UCI).

(Arquivo)

(Arquivo)

© NASA NASA / Reuters

O glaciar está a despejar "grandes icebergues no oceano, no que resultará na subida do nível do mar nas próximas décadas", referiu o investigador.

As descobertas baseiam-se em imagens de satélite recolhidas ao longo dos anos pelas agências espaciais e pela monitorização da forma, tamanho e posição do glaciar durante um largo período de tempo.

O aquecimento das águas dos oceanos estão a corroer os glaciares por baixo e o aumento das temperaturas do ar a derretê-los à superfície.

"Zachariae Isstrom está a ser comido por cima e por baixo", declarou, por seu turno, Eric Rignot, professor de ciências do sistema terrestre da UCI.

O topo do glaciar está a derreter em resultado de décadas em que se registou um aumento das temperaturas do ar, enquanto a parte submersa está comprometida pelas correntes de água quentes. Isto provoca a quebra do glaciar em pedaços, fazendo-o recuar", relatou o especialista.

Outro grande glaciar junto do Zachariae Isstrom - conhecido por Nioghalvfjerdsfjorden - também está a derreter, mas não de forma tão rápida porque está protegido pelo relevo.

Estudos indicam que estes dois glaciares possuem cerca de 12 por cento do gelo da Gronelândia e que o seu colapso total causaria uma subida global dos oceanos em 99,06 centímetros.

O glaciar Zachariae Isstrom estende-se por uma área de 91,780 km2.

Lusa

  • Quando se confunde o pedal do travão com o acelerador
    0:38

    Mundo

    Na China, chegam imagens de um acidente fora do normal. Um homem parou o carro e saiu para cumprimentar um amigo. Enquanto conversavam, a viatura começou a descair lentamente. O condutor correu de imediato para o carro. Com as mãos já no volante, tentou evitar o pior mas em vez de carregar no travão, carregou no acelerador.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.