sicnot

Perfil

Mundo

ONU preocupada com direitos das mulheres em Timor-Leste

A ONU mostrou-se preocupada com os direitos das mulheres em Timor-Leste durante a audição do país na Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres.

© Lirio Da Fonseca / Reuters

Na quarta-feira, os especialistas levantaram preocupações "relativas a estereótipos de género e praticas tradicionais que limitam a educação das mulheres e as possibilidades de emprego", lamentaram "a falta de uma lei anti-tráfico abrangente" e a falta de juízes e advogados, o "que impede o acesso à justiça nas áreas rurais".

Os representantes da ONU pediram "uma harmonização das leis" do país, "uma distribuição mais equilibrada dos orçamentos tendo em conta as questões de género", e criticaram o atraso na adoção do Programa de Reparação Racional, que pretende corrigir as violações ocorridas durante o período de ocupação Indonésia.

A Amnistia Internacional e o Programa de Monitorização Judicial, que participaram na reunião, também se focaram neste último ponto.

Segundo as organizações, a Comissão de Acolhimento Verdade e Reconciliação documentou 853 situações de violência sexual contra mulheres e meninas neste período, mas Timor-Leste e a Indonésia falharam em aplicar as recomendações feitas na altura.

"Estamos particularmente preocupados com o facto de que a ausência de uma reparação represente que a discriminação com base no género que motivou estes crimes continue a contribuir para a perpetuação de desigualdade social e para a generalizada violência contra mulheres e meninas que assistimos em Timor-Leste nos nossos dias", lê-se no relatório conjunto das duas organizações.

Na 63.ª sessão da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres, que decorre até ao próximo dia 20 em Genebra, Timor-Leste foi representado pela secretária de Estado para o Apoio e Promoção Socioeconómica da Mulher, Veneranda Lemos.

A responsável apresentou um relatório que mostra como "as mulheres ainda enfrentam numerosos desafios, devido a um contexto passado violento e um tumultuoso passado marcado pela guerra".

Veneranda Lemos disse, no entanto, que o governo aplicou reformas legais que melhoram a situação das mulheres, dando o exemplo da criminalização da violência doméstica, e que o país tem um dos parlamentos com mais mulheres de todo o mundo e o mais igualitário da região da Ásia-Pacífico.

Por sua vez, a Comissão Nacional de Direitos Humanos de Timor-Leste notou que 40% de todas as mulheres entre os 15 e os 49 anos de idade foram vítimas de violência em casa, sendo os maridos os agressores em 75% dos casos

Lusa

  • Enfermeiros dizem que suplemento de 150 € não é suficiente para acordo
    0:57

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros diz que há um avanço nas negociações com o Governo. Esta terça-feira à tarde, uma delegação do Ministério das Finanças esteve numa reunião que decorreu no Ministério da Saúde. Apesar disso, o presidente do sindicato, José Azevedo, explicou à SIC que a proposta do executivo de pagar mais 150 euros aos enfermeiros especializados não é suficiente para chegarem a acordo.

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC