sicnot

Perfil

Mundo

Curdos anunciam libertação cidade controlada pelo Estado Islâmico

O líder curdo iraquiano Massud Barzani anunciou hoje "a libertação" da cidade de Sinjar (norte), controlada pelo grupo extremista Estado Islâmico, depois de dois dias de ofensiva das forças curdas apoiadas por aviões norte-americanos.

© Reuters Photographer / Reuter

Na ofensiva participaram ainda combatentes da minoria 'yazidi', alvo de uma campanha brutal de massacres e violações pelos 'jihadistas' em agosto de 2014.

A tomada de Sinjar junta-se a uma série de revezes sofridos pelos 'jihadistas' tanto no Iraque como na Síria, onde uma coligação de grupos rebeldes sírios anunciou hoje a recuperação de Al-Hol, uma importante aldeia na rota de abastecimento do Estado Islâmico.

"Estou aqui para anunciar a libertação de Sinjar", disse o presidente do Curdistão autónomo numa conferência de imprensa perto da cidade recuperada.

A cidade ficou bastante destruída, segundo jornalistas de agências internacionais no local, depois de perto de 40 ataques aéreos na quarta e na quinta-feira e de intensos combates no terreno entre os combatentes curdos ('peshmergas') e os 'jihadistas'.

Num anúncio pouco habitual, o Pentágono informou a imprensa da presença de tropas terrestres dos Estados Unidos junto dos combatentes curdos para ajudar na identificação de alvos do Estado Islâmico, tanto na linha da frente como no Monte Sinjar.

Segundo militares norte-americanos, a recuperação da cidade permite o controlo da autoestrada 47, que liga as áreas controladas pelo Estado Islâmico no Iraque e na Síria, dificultando o abastecimento das forças 'jihadistas' e constituindo, dessa forma, "um primeiro passo decisivo para recuperar Mossul", o principal bastião do EI no Iraque.

O Estado Islâmico tomou Sinjar em agosto do ano passado, obrigando milhares de 'yazidis' a fugir para as montanhas em volta da cidade, onde acabaram por permanecer semanas cercados pelo Estado Islâmico.

Lusa

  • Curdos iraquianos lançam ofensiva contra jihadistas
    1:40

    Mundo

    Com o apoio aéreo dos Estados Unidos, as forças curdas no Iraque lançaram uma ofensiva sobre o monte Sinjar, ocupado pelo "Estado Islâmico". O objetivo é resgatar as populações da minoria Yazidi e cortar a estrada que liga as capitais jihadistas do Iraque e da Síria.

  • Turquia avança contra jihadistas e rebeldes curdos
    2:37

    Daesh

    A Turquia está a atacar vários alvos do auto designado Estado Islâmico e de rebeldes curdos, em 13 províncias do país. O Governo da Turquia decidiu avançar com a ofensiva, depois de ontem jihadistas terem disparado contra alvos turcos, a partir da Síria. Esta é a primeira intervenção aérea de Ancara contra os jihadistas.Neste confronto, Um polícia turco foi morto num posto fronteiriço, pelas tropas jihadistas.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.