sicnot

Perfil

Mundo

Marcelo Rebelo de Sousa manifesta solidariedade e repúdio face aos ataques

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa manifestou hoje repúdio face à violência dos ataques de sexta-feira à noite em Paris e deixou uma palavra de solidariedade ao povo francês e aos portugueses residentes em França.

© Benoit Tessier / Reuters

Numa nota enviada à agência Lusa, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que, "face aos incompreensíveis atentados registados em Paris na noite de 13 de novembro, urge uma palavra veemente de repúdio contra a violência perpetrada por mãos criminosas".

"O terrorismo selvagem contra vidas inocentes não tem explicação, não tem desculpa, não merece comiseração. Nesta hora difícil, em que ainda não se conhece em toda a extensão a gravidade deste ataque, deixo uma palavra de solidariedade ao povo francês e a todos os portugueses que vivem em França", acrescenta o antigo presidente do PSD.

Na mesma nota, intitulada "Terrorismo em França: Solidariedade e Repúdio", o professor universitário de direito e conselheiro de Estado considera: "A violência pela violência, o terror pelo terror, não são aceitáveis. Não nos poderemos deixar condicionar pela ameaça. Os valores da tolerância, da democracia e do humanismo serão sempre mais fortes".

Vários ataques registados na sexta-feira à noite, em Paris, provocaram a morte a mais de uma centena de pessoas e pelo menos 50 pessoas ficaram feridas em estado grave, segundo fontes policiais.

O presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país.

Lusa

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram dvulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.