sicnot

Perfil

Mundo

Marcelo Rebelo de Sousa manifesta solidariedade e repúdio face aos ataques

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa manifestou hoje repúdio face à violência dos ataques de sexta-feira à noite em Paris e deixou uma palavra de solidariedade ao povo francês e aos portugueses residentes em França.

© Benoit Tessier / Reuters

Numa nota enviada à agência Lusa, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que, "face aos incompreensíveis atentados registados em Paris na noite de 13 de novembro, urge uma palavra veemente de repúdio contra a violência perpetrada por mãos criminosas".

"O terrorismo selvagem contra vidas inocentes não tem explicação, não tem desculpa, não merece comiseração. Nesta hora difícil, em que ainda não se conhece em toda a extensão a gravidade deste ataque, deixo uma palavra de solidariedade ao povo francês e a todos os portugueses que vivem em França", acrescenta o antigo presidente do PSD.

Na mesma nota, intitulada "Terrorismo em França: Solidariedade e Repúdio", o professor universitário de direito e conselheiro de Estado considera: "A violência pela violência, o terror pelo terror, não são aceitáveis. Não nos poderemos deixar condicionar pela ameaça. Os valores da tolerância, da democracia e do humanismo serão sempre mais fortes".

Vários ataques registados na sexta-feira à noite, em Paris, provocaram a morte a mais de uma centena de pessoas e pelo menos 50 pessoas ficaram feridas em estado grave, segundo fontes policiais.

O presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.