sicnot

Perfil

Mundo

Buscas em casas de suspeitos islamitas em França

A polícia francesa efetuou buscas em várias casas de suspeitos islamitas, durante esta madrugada e em vários pontos do país, confirmou esta manhã o primeiro-ministro, Manuel Valls.

© Pascal Rossignol / Reuters

De acordo com Manuel Valls, "mais de 150 raids" foram realizados em círculos islâmicos em França desde os ataques de sexta-feira.

Em Lyon, foram apreendidas armas, incluindo um lançador de foguetes, coletes à prova de bala, várias pistolas e uma Kalashnikov. Cinco pessoas foram detidas, segundo uma fonte citada pela France Press.

O canal BFM TV explicou que os investigadores tinham "várias dezenas de alvos" nestas operações, realizadas também em Grenoble (leste), Toulouse (sul), Jeumont (norte) e Bobigny (arredores de Paris).

Uma operação realizada em Bobigny estava diretamente relacionada com os ataques de Paris na noite de sexta-feira, precisou a "France Info", enquanto se aguarda a divulgação dos resultados.

Em Grenoble, segundo o BFM TV, houve seis detenções e foram apreendidas armas.

Em Toulouse, em vários pontos de La Reynerie, no bairro de Le Mirail--del, de onde era oriundo um dos autores dos atentados de Paris, o francês Mohamed Merah, também autor de várias mortes na região em março de 2012, foram detidas pelo menos três pessoas. Cerca de 200 agentes participaram nas buscas e detenções de Toulouse, que se prolongaram durante três horas.

O Governo francês decretou na noite de sexta-feira o estado de emergência, o que permite às forças da ordem ignorar alguns procedimentos legais que podem atrasar as buscas em habitações de suspeitos.

A França e a Bélgica lançaram no domingo várias ordens de busca e captura de um suspeito jihadista implicado na onda nos ataques de sexta-feira, Salah Abdeslam, e que no sábado escapou a uma operação em Bruxelas em que foram detidas várias pessoas, entre elas, o seu irmão, Mohamed.

Salah Abdeslam, de 26 anos e nacionalidade francesa, ainda que residente na Bélgica, foi quem alugou neste país o carro usado pelos autores do ataque à sala de espetáculos Bataclan, um Volkswagen Polo. Suspeita-se que possa ser o oitavo homem dos comandos jihadistas, além dos sete que se fizeram explodir em Paris, durante os atentados.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) referiu oito homens quando no sábado, em comunicado, reivindicou os atentados, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses.

De acordo com o último balanço feito pelos hospitais, das 415 pessoas que foram atendidas nos hospitais após os ataques, pelos menos 42 feridos continuavam no domingo à tarde em vigilância intensiva em unidades de reanimação.

Os ataques ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país".

Com Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.