sicnot

Perfil

Mundo

Cinco detidos de Guantanamo transferidos para os Emirados Árabes Unidos

Os Estados Unidos da América anunciaram no domingo a transferência de cinco detidos em Guantanamo para os Emirados Árabes Unidos, no quadro do projeto de encerramento do centro de detenção.

Prisão de Guantánamo, nos Estados Unidos.(Arquivo)

Prisão de Guantánamo, nos Estados Unidos.(Arquivo)

© Staff Photographer / Reuters

Segundo o Pentágono, 107 pessoas estão ainda detidas na prisão militar situada em Cuba.

Os cinco detidos transferidos são Ali Ahmad Mohammed al-Razihi, Khalid Abd-al-Jabbar Mohammed Uthman al-Qadasi, Adil Said al-Hajj Ubayd al-Busays, Sulayman Awad Bin Uqayl al-Nahdi e Fahmi Salem Said al-Asani.

A prisão de Guantanamo abriu portas em janeiro de 2002 para acolher os suspeitos de terrorismo. Em 2003, chegou a ter mais de 700 detidos.

A prisão e as imagens dos prisioneiros acorrentados com os uniformes cor de laranja tiveram um impacto desastroso sobre a imagem dos Estados Unidos no mundo e o Presidente Barack Obama fez do encerramento de Guantanamo uma promessa eleitoral.

Obama poderá concretizar a promessa antes do fim do seu mandato, em janeiro de 2017. O plano incluia a transferência de cerca de 50 detidos para os Estados Unidos. Os outros, considerados menos perigosos, seriam transferidos para o estrangeiro.

Vários prisioneiros foram nos últimos meses repatriados para o seu país de origem ou transferidos para um país terceiro.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.