sicnot

Perfil

Mundo

Suu Kyi regressa ao parlamento de Myanmar após vitória eleitoral

galeria de fotos

A líder da oposição de Myanmar (antiga Birmânia), Aung San Suu Kyi, que obteve uma vitória esmagadora nas eleições de 8 de novembro, regressou hoje ao parlamento enquanto deputada.

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

"Preparámos o terreno para permitir ao novo parlamento trabalhar", disse o presidente da Assembleia, Shwe Mann, perante centenas de deputados, incluindo Aung San Suu Kyi, deputada desde as eleições parciais de 2012, em que o seu partido tinha conquistado a quase totalidade dos cerca de 40 lugares disputados nessa altura.

Com duas rosas vermelhas na mão, Aung San Suu Kyi chegou ao parlamento sozinha, sendo depois cercada por dezenas de câmaras.

Com o ar solene da primeira aparição pública desde o anúncio da sua vitória histórica, após 30 anos de luta, a líder da Liga Nacional para a Democracia (LND) não prestou declarações.

Parte das tropas do partido no poder, o USDP, marcado por uma derrota histórica, estavam ausentes. Os deputados militares, contingente não eleito que ocupa 25% dos lugares, começaram entretanto a chegar, vestidos com uniformes e recusando prestar declarações.

"Apelo a todos os deputados para trabalharem até ao final da sessão", que deverá terminar no final de janeiro de 2016, acrescentou Shwe Mann. Nas próximas semanas, será votado o orçamento.

De acordo com o sistema político birmanês, Aung San Suu Kyi e os cerca de 40 deputados da LND vão desempenhar o papel de oposição parlamentar até ao final de janeiro face a 331 deputados da USDP (partido no poder).

O novo parlamento, dominado em 80% pela LND, excluindo os 25% de deputados militares, só vai entrar em funções no início de 2016, em fevereiro ou março.

Lusa

  • "Fiquei absolutamente perplexo com a escolha de Elina Fraga"
    0:43

    País

    Rogério Alves diz que ficou perplexo com a escolha de Elina Fraga para a vice-presidência do PSD. Em declarações à TSF e Diário de Notícias, o antigo bastonário da Ordem dos Advogados lembra as divergências com o governo de Passos Coelho, sobretudo em matérias de justiça.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07