sicnot

Perfil

Mundo

Suu Kyi regressa ao parlamento de Myanmar após vitória eleitoral

galeria de fotos

A líder da oposição de Myanmar (antiga Birmânia), Aung San Suu Kyi, que obteve uma vitória esmagadora nas eleições de 8 de novembro, regressou hoje ao parlamento enquanto deputada.

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

"Preparámos o terreno para permitir ao novo parlamento trabalhar", disse o presidente da Assembleia, Shwe Mann, perante centenas de deputados, incluindo Aung San Suu Kyi, deputada desde as eleições parciais de 2012, em que o seu partido tinha conquistado a quase totalidade dos cerca de 40 lugares disputados nessa altura.

Com duas rosas vermelhas na mão, Aung San Suu Kyi chegou ao parlamento sozinha, sendo depois cercada por dezenas de câmaras.

Com o ar solene da primeira aparição pública desde o anúncio da sua vitória histórica, após 30 anos de luta, a líder da Liga Nacional para a Democracia (LND) não prestou declarações.

Parte das tropas do partido no poder, o USDP, marcado por uma derrota histórica, estavam ausentes. Os deputados militares, contingente não eleito que ocupa 25% dos lugares, começaram entretanto a chegar, vestidos com uniformes e recusando prestar declarações.

"Apelo a todos os deputados para trabalharem até ao final da sessão", que deverá terminar no final de janeiro de 2016, acrescentou Shwe Mann. Nas próximas semanas, será votado o orçamento.

De acordo com o sistema político birmanês, Aung San Suu Kyi e os cerca de 40 deputados da LND vão desempenhar o papel de oposição parlamentar até ao final de janeiro face a 331 deputados da USDP (partido no poder).

O novo parlamento, dominado em 80% pela LND, excluindo os 25% de deputados militares, só vai entrar em funções no início de 2016, em fevereiro ou março.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.