sicnot

Perfil

Mundo

Suu Kyi regressa ao parlamento de Myanmar após vitória eleitoral

galeria de fotos

A líder da oposição de Myanmar (antiga Birmânia), Aung San Suu Kyi, que obteve uma vitória esmagadora nas eleições de 8 de novembro, regressou hoje ao parlamento enquanto deputada.

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

© Soe Zeya Tun / Reuters

"Preparámos o terreno para permitir ao novo parlamento trabalhar", disse o presidente da Assembleia, Shwe Mann, perante centenas de deputados, incluindo Aung San Suu Kyi, deputada desde as eleições parciais de 2012, em que o seu partido tinha conquistado a quase totalidade dos cerca de 40 lugares disputados nessa altura.

Com duas rosas vermelhas na mão, Aung San Suu Kyi chegou ao parlamento sozinha, sendo depois cercada por dezenas de câmaras.

Com o ar solene da primeira aparição pública desde o anúncio da sua vitória histórica, após 30 anos de luta, a líder da Liga Nacional para a Democracia (LND) não prestou declarações.

Parte das tropas do partido no poder, o USDP, marcado por uma derrota histórica, estavam ausentes. Os deputados militares, contingente não eleito que ocupa 25% dos lugares, começaram entretanto a chegar, vestidos com uniformes e recusando prestar declarações.

"Apelo a todos os deputados para trabalharem até ao final da sessão", que deverá terminar no final de janeiro de 2016, acrescentou Shwe Mann. Nas próximas semanas, será votado o orçamento.

De acordo com o sistema político birmanês, Aung San Suu Kyi e os cerca de 40 deputados da LND vão desempenhar o papel de oposição parlamentar até ao final de janeiro face a 331 deputados da USDP (partido no poder).

O novo parlamento, dominado em 80% pela LND, excluindo os 25% de deputados militares, só vai entrar em funções no início de 2016, em fevereiro ou março.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.