sicnot

Perfil

Mundo

Fluxo de estrangeiros para Iraque e Síria manteve-se em 2015

O fluxo de combatentes estrangeiros para o Iraque e a Síria manteve-se em 2015, com cerca de 7.000 chegadas nos primeiros seis meses, e os europeus correspondem a um quinto do total, segundo um relatório internacional divulgado hoje.

No Global Terrorism Index (Índice do Terrorismo Global - ITG) 2015, realizado pelo Instituto para a Economia e Paz (IEP), de Sydney, concluiu-se também que o grupo Estado Islâmico provoca mais mortos no campo de batalha que através de atos terroristas e que o fundamentalismo islâmico não é a principal motivação dos atos de terror cometidos no Ocidente da última década.

"Quase 30.000 estrangeiros de 100 países viajaram para o Iraque e a Síria desde 2011", lê-se no documento, que cita estimativas de organizações internacionais e governos nacionais.

Os países europeus, não contando com a Turquia (04 por cento), são responsáveis por 21% desse contingente e França é o que mais cidadãos conta nas fileiras de grupos 'jihadistas', com cerca de 1.800 combatentes estimados.

O relatório, concluído antes dos atentados da passada sexta-feira em Paris, cujas investigações apontam para o envolvimento de atuais ou antigos membros do Estado Islâmico, indica por outro lado que pelo menos 180 'jihadistas' regressaram a França, suscitando nas autoridades o receio do seu potencial para cometer atos terroristas no país.

Dois terços dos combatentes estrangeiros na Síria e no Iraque são oriundos de países do Médio Oriente e Norte de África, com a Tunísia como principal "fornecedor", com 5.000 homens, e a Arábia Saudita como segundo, com cerca de 2.500.

Dos países não islâmicos, aqueles que mais combatentes contam são a Rússia, com cerca de 2.500, e França.

Na União Europeia (UE), além de França, destacam-se pelo número de combatentes que viajaram para aqueles dois países a Alemanha, Reino Unido, Bélgica, Suécia e Holanda.

O Estado Islâmico, que em 2014 conquistou vastas áreas do Iraque e da Síria, provoca mais mortes no campo de batalha -- pelo menos 20.000 mortos em combates -- que através de atos terroristas -- cerca de 6.000.

A maioria de mortes por terrorismo nas últimas décadas não ocorreu no Ocidente: mesmo contando com o 11 de setembro de 2001, o atentado terrorista que mais mortos fez no Ocidente (2.996), elas correspondem a apenas 2,6% do total de mortes por atos terroristas.

No Ocidente, definido no relatório como o conjunto dos 38 países que compõem a Europa, Estados Unidos, Canadá e Austrália, a maioria dos ataques (70%) é cometida pelos chamados "lobos solitários" -- indivíduos ou pequenos grupos de indivíduos que cometem um ataque em apoio a um grupo, movimento ou ideologia, sem assistência material ou ordens desse grupo.

Mas o fundamentalismo islâmico não foi a principal motivação desses atos, com 80% das mortes provocadas por ataques terroristas no Ocidente a serem provocadas por extremismo político.

E, em 2014, apenas um atentado, o ataque de 24 de maio a um museu judaico na Bélgica, que fez quatro mortos, foi perpetrado por um antigo membro do Estado Islâmico.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.