sicnot

Perfil

Mundo

Guerra na Síria faz 178 mortos nas últimas 24 horas

O número de vítimas da guerra na Síria durante as últimas 24 horas ascendeu a 178 mortos confirmados, incluindo seis crianças, segundo os dados divulgados hoje pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

(arquivo)

(arquivo)

© Ammar Abdullah / Reuters

De acordo com a contagem da organização, morreram 26 civis, 24 rebeldes, 15 extremistas islâmicos estrangeiros, 28 elementos das forças regulares de Damasco, 21 voluntários da National Defence Forces (NDF, na sigla em inglês), um homem do Hezbollah, 16 rebeldes que não foram identificados e quatro estrangeiros que combatiam nas fileiras do regime sírio.

O relatório do Observatório Sírio para os Direitos Humanos precisa que entre os mortos civis encontram-se duas crianças, que sucumbiram "às condições de vida miseráveis" na zona leste de Ghouta.

Igualmente, nas últimas 24 horas, dois dissidentes morreram em combates contra as forças de Al-Assad nos arredores de Aleppo e em Al-Hesba, elementos do grupo Al-Hesba espancaram um homem até à morte.

Na mesma zona um homem foi executado pelo Estado Islâmico.

As informações recolhidas pelo observatório indicam que o comandante local do Estado Islâmico, a mulher e os quatro filhos, morreram durante os bombardeamentos em Aleppo.

O mesmo documento refere que um militante do batalhão Jund al-Aqsa morreu durante confrontos contra as forças governamentais. Na mesma zona de Aleppo sete rebeldes também foram abatidos pelos soldados de Damasco.

Em vários pontos do país, os voluntários do NDF foram abatidos quando se encontravam em missões de postos de controlo nas estradas.

No domingo, 28 soldados das forças regulares de Damasco morreram em confrontos ou atingidos por engenhos explosivos de fabrico artesanal (Improvised Explosive Device, IED, na sigla em inglês), em várias regiões da Síria.

Quinze estrangeiros do Exército Islâmico, do Jund Al-Sham e do grupo Jabhat Al-Nusra, morreram em confrontos e outros quatro estrangeiros que combatiam junto das forças regulares foram abatidos durante confrontos contra os grupos extremistas.

O 'site' do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (http://www.syriahr.com/en/category/news/syria-news/ ) destaca ainda a situação em Homs, onde os combates se intensificaram nas últimas 24 horas, assim como em Al-Hasakah.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.