sicnot

Perfil

Mundo

Conselho muçulmano pede a mesquitas que condenem terrorismo

O Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM), organismo representativo islâmico, vai divulgar nas cerca de 2.500 mesquitas de França um "texto formal" condenando de forma inequívoca toda a "forma de violência ou terrorismo", para as orações de sexta-feira.

Reuters

"Diante do horror dos assassínios indiscriminados que foram realizados" a 13 de novembro em Paris, em que 129 pessoas foram mortas, "o CFCM e todas as organizações muçulmanas apelam a todas as mesquitas de França para consagrar as orações de sexta-feira a estes eventos trágicos que profundamente tocaram a comunidade nacional", segundo um comunicado da organização.

O CFCM afirmou que divulgará nas mesquitas "um texto solene que poderá servir de linha diretriz para o próximo sermão" de sexta-feira.

"Os muçulmanos de França reafirmam a sua rejeição categórica e de forma inequívoca qualquer forma de violência ou terrorismo, que é a negação mesmo dos valores da paz e fraternidade que contém o islão", referiu o CFCM.

A organização "proclama igualmente o seu compromisso inabalável com o pacto republicano que nos une a todos, assim como os valores que fazem a França", segundo a nota.

De acordo com o comunicado, "os muçulmanos elevarão as suas orações para a França, com todos os votos de paz e segurança para a pátria", como já haviam feito depois dos atentados ao jornal parisiense Charlie Hebdo e a um supermercado, em janeiro, que resultaram em 19 mortos.

Os responsáveis das grandes federações muçulmanas (relacionados com a Argélia, Marrocos, Turquia, próximos da Irmandade Muçulmana e outros grupos), que não reúnem todas as mesquitas da França, condenaram "a barbárie" dos atentados de Paris.

A grande mesquita de Paris, símbolo de mais de um século de presença islâmica em França, convocou uma reunião para sexta-feira.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".