sicnot

Perfil

Mundo

Outubro deste ano foi o mais quente da história desde 1880

O passado mês de outubro foi o mais quente da história desde que se começaram a recolher dados meteorológicos em 1880, divulgou hoje a agência federal norte-americana para a Atmosfera e os Oceanos (NOAA, na sigla em inglês).

© David Gray / Reuters

A agência norte-americana indicou igualmente que os primeiros 10 meses de 2015 foram os mais quentes de sempre.

A poucas semanas da 21.ª Cimeira do Clima da ONU (COP21), a realizar em Paris, estes últimos dados demonstram que 2015 está na iminência de se tornar no ano mais quente alguma vez registado.

Este ano, os meses de janeiro e de abril foram os únicos que não bateram recordes de temperaturas.

Até agora, no presente ano, a temperatura registada na superfície terrestre e nos oceanos foi superior em 0,86 graus Celsius à média do século XX.

"O período de janeiro a outubro foi o mais quente do período compreendido entre 1880/2015 e bateu o anterior recorde, estabelecido no ano passado, de 0,12°C", referiu a NOAA.

A COP21 vai decorrer em Bourget, no norte de Paris, de 30 de novembro a 11 de dezembro, com representantes de 195 países.

O encontro sob a égide da ONU tem como objetivo conseguir um acordo internacional sobre a redução de emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento global e pelas suas consequências catastróficas, nomeadamente o aumento do nível do mar.

Limitar o aquecimento global a dois graus Celsius até ao final do século, por referência ao período anterior à Revolução Industrial, é a grande meta e, para muitos, a única forma de evitar os piores efeitos das mudanças climáticas.

Lusa

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.