sicnot

Perfil

Mundo

Regime sírio acusado de usar ataques a hospitais como arma de guerra

Os ataques do governo sírio aos hospitais de Aleppo devastaram os serviços de saúde na cidade, acusou hoje a organização Médicos pelos Direitos Humanos, afirmando que 95 por cento dos médicos fugiram, estão mortos ou foram presos.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

Menos de um terço dos hospitais da cidade estão a funcionar devido aos 45 ataques dos últimos três anos, refere a organização num relatório hoje divulgado.

"O governo sírio está a usar os ataques aos serviços de saúde de Aleppo como uma arma de guerra", disse Michele Heisler, uma das autoras do documento.

A cidade de Aleppo está dividida entre as forças governamentais, que controlam o lado ocidental, e os rebeldes, que tomaram a parte oriental pouco tempo depois do início dos combates em meados de 2012.

As forças governamentais sírias apoiadas pelos meios aéreos russos lançaram uma nova investida na tentativa de recuperar o controlo de Aleppo e tomaram a cidade de Al-Hader, a sul da cidade, no início do mês.

Os Médicos pelos Direitos Humanos afirmam que houve, pelo menos, dez ataques aéreos russos a infraestruturas de saúde em outubro, que provocaram a morte de um trabalhador.

Segundo o relatório, havia menos do que 80 médicos a trabalhar em Aleppo, ou seja 05% dos clínicos que serviam aquela cidade antes da guerra.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.