sicnot

Perfil

Mundo

Comboio de alta velocidade fabricado pela China atingiu os 385 km/hora

Um comboio de alta velocidade chinês atingiu na quarta-feira 385 quilómetros por hora, durante um teste efetuado na linha que liga Datong e Xi'an, no noroeste da China, avançou a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

CSR Qingdao Sifang

A conceção e fabrico do comboio, que foi testado em pontes, túneis, e em subidas e curvas, coube à empresa CSR Qingdao Sifang, enquanto os direitos de propriedade intelectual são detidos pela China, escreveu a agência.

O comboio deverá começar a operar a partir do próximo ano e circulará a uma velocidade padrão de 350 quilómetros por hora.

Em menos de uma década, a China construiu a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, ultrapassando o Japão e a França, os países pioneiros desta tecnologia.

A primeira linha, inaugurada em 2008, por altura dos Jogos Olímpicos, foi um troço de 120 quilómetros entre Pequim e a cidade portuária de Tianjin.

Atualmente, a linha mais longa, com 2.298 quilómetros de extensão, liga Pequim a Cantão em oito horas.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.