sicnot

Perfil

Mundo

Polícia sueca detém homem suspeito de "planear ataque terrorista"

A polícia sueca deteve, na quinta-feira, um suspeito de planear um "ataque terrorista", após uma operação de caça ao homem durante dois dias.

© TT News Agency / Reuters

Iraqi Mutar Muthanna Majid foi detido durante uma rusga num centro para requerentes de asilo na cidade de Boliden, que decorreu sem incidentes, de acordo com os serviços de segurança.

A Suécia tem estado em alerta desde a passada sexta-feira, quando 129 pessoas morreram num ataque em Paris reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O primeiro-ministro Stefan Lofven elogiou os serviços de segurança pela "rapidez com que o suspeito foi localizado e detido".

As autoridades emitiram um mandado de busca para Majid, de 25 anos, que a imprensa diz ser suspeito de ter combatido na Síria, por preparar um "ataque terrorista".

"A detenção ocorreu com serenidade" e os investigadores planeiam interrogar o suspeito, disse, em comunicado, a agência de inteligência da Suécia, Sapo.

Apesar de não ter sido identificada uma ligação com os atacantes de Paris, a Sapo afirmou que o derramamento de sangue na capital francesa demonstrou como o Estado Islâmico está a expandir-se e a chegar à Europa.

A Suécia manteve o nível de ameaça terrorista em "elevado" após a detenção, o segundo mais alto numa escala de cinco. O alerta foi elevado na quarta-feira após uma revisão pelo Centro Nacional para a Avaliação de Ameaças Terroristas.

Na quinta-feira, Lofven disse que a Suécia tinha sido ingénua quanto ao risco de um ataque no seu território e que planeia reforçar as medidas de segurança, incluindo monitorização de comunicações encriptadas.

A Suécia não é alvo de um ataque desde 2010, quando um homem se fez explodir numa rua comercial em Estocolmo, ferindo duas pessoas.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.