sicnot

Perfil

Mundo

Nove mortos, incluindo 4 mulheres suicidas, em atentado nos Camarões

Quatro mulheres suicidas fizeram-se explodir hoje nos arredores de Fotokol, no extremo norte dos Camarões, matando cinco civis, entre os quais um chefe tradicional, informou o governador regional. As suicidas eram "adolescentes com cerca de 15 anos", de acordo com fonte da segurança camaronesa.

Uma suicida fez-se explodir junto à casa do chefe tradicional de Laymarie, pequena localidade camaronesa na periferia de Fotokol, matando-o assim como a quatro membros da sua família, disse à agência France Presse o governador da região do Extremo-Norte, Midjiyawa Bakari.

As outras três bombistas rebentaram os explosivos nas proximidades alguns minutos depois e sem causar vítimas, adiantou.

Segundo uma fonte da segurança camaronesa contactada em Fotokol, as suicidas eram "adolescentes com cerca de 15 anos".

A mesma fonte indicou que a primeira explosão causou ainda dez feridos.

Bakari disse também que o exército agiu rapidamente.

"Logo após a primeira explosão, os nossos militares (estacionados em Fotokol) dispararam para o ar. Isso deve ter desencorajado as outras três suicidas", considerou.

Fotokol é regularmente alvo de ataques do grupo radical islâmico nigeriano Boko Haram. No passado dia 9, três civis foram mortos num atentado realizado por duas mulheres suicidas perto de uma mesquita dessa cidade.

No total, mais de 100 pessoas morreram desde julho em duas dezenas de atentados atribuídos aos extremistas nigerianos.

Lusa

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.