sicnot

Perfil

Mundo

Argentinos regressam às urnas para segunda volta das presidenciais

A Argentina elege hoje o sucessor da Presidente Cristina Kirchner, numa segunda volta de eleições presidenciais muito disputadas e com a perspetiva de mudança no cenário político do país sul-americano.

© Ivan Alvarado / Reuters

A campanha eleitoral da segunda volta, que terminou na noite de quinta-feira, ficou assinalada pelo primeiro debate presidencial televisivo entre o candidato de direita Mauricio Macri, 56 anos, e Daniel Scioli, 58 anos, apoiado pela chefe de Estado cessante, com trocas de acusações por vezes muito agressivas.

Scioli, governador da província de Buenos Aires que se candidata pela coligação Frente para la Vitoria (FpV, onde se inclui o Partido Justicialista, peronismo "oficial") e vencedor da primeira volta em 25 de outubro com 37,08% dos votos, acusou o seu rival de ser o "homem dos mercados e do FMI" e "um perigo" para o país.

Mauricio Macri (34,15% na primeira volta), presidente da câmara de Buenos Aires e que concorre pela coligação Cambiemos (que aglutina forças do centro-esquerda à direita) chamou "mentiroso" ao seu rival, num duelo transmitido por dezenas de cadeias televisivas argentinas.

Um estudo previamente divulgado pela empresa "Management & Fit" -- a lei argentina proíbe a divulgação de sondagens nos últimos oito dias de um escrutínio -- fornecia a Macri 52% das intenções de voto, contra 43,7% para o seu adversário.

Com cerca de 11% de indecisos, e num esforço para contrariar as anunciadas tendências do eleitorado, Scioli voltou a associar o seu opositor às políticas neoliberais aplicadas na década de 1990 e que conduziram o país à crise económica de 2001.

Em resposta, o chefe camarário da capital argentina assumiu-se como o homem da renovação e da mudança "desejada pelos argentinos", após cerca de 12 anos de "kirchenerismo", primeiro protagonizado pelo Presidente Néstor Kirchner entre 2003 e 2007 (morreu em 2010), e de seguida por sua mulher Cristina, que em 10 de dezembro termina o seu segundo mandato de quatro anos na Casa Rosada.

Pela primeira vez, desde a reforma eleitoral do início da década de 1970, vai ser necessária uma segunda volta para eleger o chefe de Estado argentino, num país com um regime político marcadamente presidencialista, à semelhança da maioria dos países das Américas.

Na terça-feira, em plena reta final da campanha, Cristina Fernández Kirchner, que mantém uma taxa de aprovação de 50% entre os 41 milhões de argentinos, exortou através das redes sociais ao voto em Daniel Scioli.

A chefe de Estado fez a sua última aparição pública em 06 de novembro, e aproveitou esta data simbólica do dia do Militante -- que recorda o regresso de Juan Domingo Perón ao país após um longo exílio de 17 anos --, para mobilizar os apoiantes e garantir a prevalência após 10 de dezembro de uma corrente política também muito personalizada, agora ameaçada pela direita "peronista".

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.