sicnot

Perfil

Mundo

Argentinos regressam às urnas para segunda volta das presidenciais

A Argentina elege hoje o sucessor da Presidente Cristina Kirchner, numa segunda volta de eleições presidenciais muito disputadas e com a perspetiva de mudança no cenário político do país sul-americano.

© Ivan Alvarado / Reuters

A campanha eleitoral da segunda volta, que terminou na noite de quinta-feira, ficou assinalada pelo primeiro debate presidencial televisivo entre o candidato de direita Mauricio Macri, 56 anos, e Daniel Scioli, 58 anos, apoiado pela chefe de Estado cessante, com trocas de acusações por vezes muito agressivas.

Scioli, governador da província de Buenos Aires que se candidata pela coligação Frente para la Vitoria (FpV, onde se inclui o Partido Justicialista, peronismo "oficial") e vencedor da primeira volta em 25 de outubro com 37,08% dos votos, acusou o seu rival de ser o "homem dos mercados e do FMI" e "um perigo" para o país.

Mauricio Macri (34,15% na primeira volta), presidente da câmara de Buenos Aires e que concorre pela coligação Cambiemos (que aglutina forças do centro-esquerda à direita) chamou "mentiroso" ao seu rival, num duelo transmitido por dezenas de cadeias televisivas argentinas.

Um estudo previamente divulgado pela empresa "Management & Fit" -- a lei argentina proíbe a divulgação de sondagens nos últimos oito dias de um escrutínio -- fornecia a Macri 52% das intenções de voto, contra 43,7% para o seu adversário.

Com cerca de 11% de indecisos, e num esforço para contrariar as anunciadas tendências do eleitorado, Scioli voltou a associar o seu opositor às políticas neoliberais aplicadas na década de 1990 e que conduziram o país à crise económica de 2001.

Em resposta, o chefe camarário da capital argentina assumiu-se como o homem da renovação e da mudança "desejada pelos argentinos", após cerca de 12 anos de "kirchenerismo", primeiro protagonizado pelo Presidente Néstor Kirchner entre 2003 e 2007 (morreu em 2010), e de seguida por sua mulher Cristina, que em 10 de dezembro termina o seu segundo mandato de quatro anos na Casa Rosada.

Pela primeira vez, desde a reforma eleitoral do início da década de 1970, vai ser necessária uma segunda volta para eleger o chefe de Estado argentino, num país com um regime político marcadamente presidencialista, à semelhança da maioria dos países das Américas.

Na terça-feira, em plena reta final da campanha, Cristina Fernández Kirchner, que mantém uma taxa de aprovação de 50% entre os 41 milhões de argentinos, exortou através das redes sociais ao voto em Daniel Scioli.

A chefe de Estado fez a sua última aparição pública em 06 de novembro, e aproveitou esta data simbólica do dia do Militante -- que recorda o regresso de Juan Domingo Perón ao país após um longo exílio de 17 anos --, para mobilizar os apoiantes e garantir a prevalência após 10 de dezembro de uma corrente política também muito personalizada, agora ameaçada pela direita "peronista".

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.