sicnot

Perfil

Mundo

Argentinos regressam às urnas para segunda volta das presidenciais

A Argentina elege hoje o sucessor da Presidente Cristina Kirchner, numa segunda volta de eleições presidenciais muito disputadas e com a perspetiva de mudança no cenário político do país sul-americano.

© Ivan Alvarado / Reuters

A campanha eleitoral da segunda volta, que terminou na noite de quinta-feira, ficou assinalada pelo primeiro debate presidencial televisivo entre o candidato de direita Mauricio Macri, 56 anos, e Daniel Scioli, 58 anos, apoiado pela chefe de Estado cessante, com trocas de acusações por vezes muito agressivas.

Scioli, governador da província de Buenos Aires que se candidata pela coligação Frente para la Vitoria (FpV, onde se inclui o Partido Justicialista, peronismo "oficial") e vencedor da primeira volta em 25 de outubro com 37,08% dos votos, acusou o seu rival de ser o "homem dos mercados e do FMI" e "um perigo" para o país.

Mauricio Macri (34,15% na primeira volta), presidente da câmara de Buenos Aires e que concorre pela coligação Cambiemos (que aglutina forças do centro-esquerda à direita) chamou "mentiroso" ao seu rival, num duelo transmitido por dezenas de cadeias televisivas argentinas.

Um estudo previamente divulgado pela empresa "Management & Fit" -- a lei argentina proíbe a divulgação de sondagens nos últimos oito dias de um escrutínio -- fornecia a Macri 52% das intenções de voto, contra 43,7% para o seu adversário.

Com cerca de 11% de indecisos, e num esforço para contrariar as anunciadas tendências do eleitorado, Scioli voltou a associar o seu opositor às políticas neoliberais aplicadas na década de 1990 e que conduziram o país à crise económica de 2001.

Em resposta, o chefe camarário da capital argentina assumiu-se como o homem da renovação e da mudança "desejada pelos argentinos", após cerca de 12 anos de "kirchenerismo", primeiro protagonizado pelo Presidente Néstor Kirchner entre 2003 e 2007 (morreu em 2010), e de seguida por sua mulher Cristina, que em 10 de dezembro termina o seu segundo mandato de quatro anos na Casa Rosada.

Pela primeira vez, desde a reforma eleitoral do início da década de 1970, vai ser necessária uma segunda volta para eleger o chefe de Estado argentino, num país com um regime político marcadamente presidencialista, à semelhança da maioria dos países das Américas.

Na terça-feira, em plena reta final da campanha, Cristina Fernández Kirchner, que mantém uma taxa de aprovação de 50% entre os 41 milhões de argentinos, exortou através das redes sociais ao voto em Daniel Scioli.

A chefe de Estado fez a sua última aparição pública em 06 de novembro, e aproveitou esta data simbólica do dia do Militante -- que recorda o regresso de Juan Domingo Perón ao país após um longo exílio de 17 anos --, para mobilizar os apoiantes e garantir a prevalência após 10 de dezembro de uma corrente política também muito personalizada, agora ameaçada pela direita "peronista".

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.