sicnot

Perfil

Mundo

Belgas respondem ao terrorismo com gatos nas redes sociais

Muitos belgas responderam com humor aos pedidos da polícia, este domingo, para não partilhar informações nas redes sociais sobre as operações policiais antiterrorismo em curso, partilhando imagens de gatos no Twitter e no Facebook seguidas da hashtag #BrusselsLockdown. Já esta manhã, a polícia agradeceu a onda, com a imagem de uma tigela cheia de comida para gatos.

Algumas das imagens partilhadas no Twitter na noite de domingo

Algumas das imagens partilhadas no Twitter na noite de domingo

A polícia federal belga apelou à comunicação social e à população em geral que não divulgassem detalhes das operações policiais que decorreram ontem à noite em Bruxelas, temendo que a informação partilhada pudesse comprometer essas operações.

Enquanto alguns dos principais jornais francófonos belgas, como o Le Soir, o L'Avenir ou o L'Echo, decidiram suspender temporariamente a cobertura noticiosa das operações, prometendo um balanço oficial para mais tarde, os belgas decidiram usar as redes sociais não para troca de informações, mas para trocar imagens de gatos.

No Twitter e no Facebook, e sob a hashtag #BrusselsLockdown ("Bruxelas fechada"), centenas de belgas começaram a partilhar imagens de gatos. Os exemplos são vários: desde a imagem de um gato com um turbante e a imitação de um cinto de explosivos, um gato com óculos e com a legenda Jean-Marie Le Pen (numa alusão à extrema direita francesa) ou mesmo um gato fechado na rua, com ar assustado, a perguntar quanto tempo mais tem de esperar por informações, entre outros.

A agência de notícias espanhola Efe conta que "Mantém a calma e twita um gato" foi o slogan com que começou a chuva de gatos na rede social, que acabou por substituir os detalhes das operações policiais que os cidadãos estavam a partilhar na Internet por ironia e fotos fofinhas.

Esta segunda-feira de manhã, a polícia federal belga publicou um tweet de agradecimento, com a imagem de tigela cheia de comida para os felinos.



Com Lusa
  •  Bruxelas mantém-se em alerta máximo
    1:49

    Ataques em Paris

    Bruxelas mantém-se em alerta máximo de terrorismo. Durante as operações anti-terrorismo de ontem na capital, em Liége e Charleroi, 16 pessoas foram detidas mas Salah Abdelslam, um dos suspeitos dos atentados de Paris, ainda não foi localizado e continua a monte.

  • "Não partilhei SMS com ninguém"
    0:43

    Caso CGD

    António Domingues afirma que nunca revelou o conteúdo das mensagens trocadas com o ministro das Finanças sobre a entrega das declarações de património ao Tribunal Constitucional. O tema dos SMS foi abordado pelo ex-presidente da Caixa na sequência de uma pergunta do PCP sobre declarações feitas por António lobo Xavier no programa da SIC Notícias "Quadratura do Círculo".

  • "As regras europeias de bem estar animal são dogmas", diz diretor-geral de Veterinária
    1:32

    País

    O diretor-geral de Alimentação e Veterinária considera que as regras de bem estar animal que existem na União Europeia (UE) "parecem configurar uma transfiguração antropomórfica dos animais". Em declarações à SIC, a propósito da exportação de animais vivos para países terceiros, que têm outras regras de abate, Fernando Bernardo defendeu ainda que o método usado em Israel provoca uma insensibilização mais rápida do que o praticada na UE.

  • PAN questiona Governo sobre aposta na exportação de animais vivos para o Médio Oriente
    1:56

    País

    O partido Pessoas-Animais-Natureza lembra que à luz do Regulamento nº. 1/2005 do Conselho Europeu, os estados-membros da União Europeia (UE) devem evitar transportar animais vivos em viagens de longo curso. O deputado André Silva considera, por isso, que "o Estado português está a incumprir o regulamento" ao fomentar estas viagens, numa clara aposta económica em torno da exportação de animais vivos para Israel e outros destinos fora da UE. Para o deputado do PAN, é muito difícil ou "mesmo impossível assegurar o bem estar dos animais" em viagens de vários dias.

  • Trump pensou que presidência "seria mais fácil"

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos Donald Trump afirmou que a Presidência é mais difícil do que pensava e que tem saudades da vida que levava antes, em entrevistas a propósito dos primeiros 100 dias em funções.