sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 2 mil pessoas morreram na Nigéria desde janeiro vítimas do Boko Haram

Desde janeiro, o grupo radical islâmico Boko Haram, já matou mais de 2 mil pessoas na Nigéria. A Amnistia Internacional fala em 10 mil vítimas no último ano.

Damasak, Nigéria, Março de 2015. Parede pintada pelo grupo Boko Haram, que raptou mais de 400 mulheres e crianças que acabaram por ser libertadas por uma força conjunta da Nigéria, Chade e Níger.

Damasak, Nigéria, Março de 2015. Parede pintada pelo grupo Boko Haram, que raptou mais de 400 mulheres e crianças que acabaram por ser libertadas por uma força conjunta da Nigéria, Chade e Níger.

© Joe Penney / Reuters

Só este fim-de-semana cinco bombistas suicidas mataram 12 pessoas na Nigéria e Camarões.
Uma das bombistas fez-se explodir no meio de um grupo de crianças e mulheres.
Os atentados foram mais uma vez atribuidos ao Boko Haram.

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38