sicnot

Perfil

Mundo

Estruturas semelhantes às misteriosas crateras da Sibéria encontradas no mar

Misteriosas crateras foram descobertas este ano na península Yamal, na Sibéria. Recentemente foi descoberta a existência de estruturas semelhantes no mar, incorporadas na plataforma continental do Mar Kara do Sul.

Gabinete de Imprensa do Governador de YaNAO

As crateras na Sibéria serão o resultado das alterações climáticas. A região está coberta por permafrost - solo que se mantém gelado ao longo de todo o ano. Uma das teorias é a de que, com as alterações climáticas, este permafrost esteja a derreter, causando uma libertação de gás metano.

Pavel Serov e colegas do Centre for Arctic Gas Hydrate, Environment, and Climate at the Arctic University da Noruega publicaram novas investigações no Journal of Geophysical Research: Earth Surface.

Dizem ter detetado e medido várias "formações pingo" submarinas, grandes montes que se erguem a partir do fundo do mar. Em terra, as "formações pingo" são montes gelados gigantes que se formam em algumas áreas do Ártico, com uma enorme saliência de gelo a sair do chão, coberta por terra, de modo que se assemelha a uma colina.

As "formações pingo" submarinas também têm sido estudadas e a melhor explicação que os cientistas encontram para a sua formação é a existência de gás metano debaixo do fundo do mar. Os cientistas suspeitam que esta formação pode ser instável e pode rebentar.

A fonte de metano das profundezas do mar - hidrato de metano - é uma combinação gelada de metano e água que se forma em altas pressões e temperaturas frias. Mas pode ser destabilizado por temperaturas mais quentes ou pelo calor da Terra a partir de baixo.

Estas observações permitem aos cientistas colocar a hipótese mais provável de que debaixo do permafrost existe este gás e que o aquecimento global da Terra desencadeia a destabilização do gás, pequenas descargas que formam estas estruturas em terra e no mar.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.