sicnot

Perfil

Mundo

Líder dos rebeldes turcomanos confirma morte dos dois pilotos russos

Um líder militar dos rebeldes turcomanos que lutam na região síria onde caiu o caça russo hoje abatido pela Turquia confirmou a morte dos dois pilotos do aparelho.

Imagem retirada de um vídeo da Haberturk TV com um caça russo em chamas depois de atingido pela Turquia.

Imagem retirada de um vídeo da Haberturk TV com um caça russo em chamas depois de atingido pela Turquia.

Haberturk TV / AP

"Disparámos contra os dois pilotos quando desciam de paraquedas", assegurou o subcomandante Alpaslan Celik, citado pela estação turca CNNTurk.

Fontes locais citadas pelo mesmo canal tinham relatado anteriormente que um dos pilotos tinha morrido e que o outro tinha sido capturado pelos rebeldes sírios turcomanos.

A Turquia anunciou hoje que dois dos seus caça-bombardeiros F-16 abateram um SU-24 russo que violou o espaço aéreo turco dez vezes num período de cinco minutos ao longo da fronteira com a Síria, ignorando todas as advertências.

Os rebeldes turcomanos, uma minoria síria que fala turco, lutam contra as forças do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, e contam com o apoio de Ancara.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.