sicnot

Perfil

Mundo

Líder norte-coreano envia "nº 3" do regime para campo de trabalho como castigo

O líder da Coreia do Norte ordenou o envio do "número três" do regime norte-coreano para um campo de trabalho como castigo pela má gestão pública de um projeto de uma barragem hidroelétrica, indicam hoje os Serviços Secretos (NIS) sul-coreanos.

Kim Jong-un com Choe Ryong-hae em 2013.

Kim Jong-un com Choe Ryong-hae em 2013.

© Jason Lee / Reuters

Segundo o NIS, a decisão de Kim Jong-un foi divulgada durante a sessão de hoje da Assembleia Nacional da Coreia do Sul, indicando que Choe Ryong-hae, membro do Politburo do Partido dos Trabalhadores e até agora uma das figuras mais visíveis do regime de Pyongyang, começou a trabalhar este mês no campo de trabalho.

O NIS não adiantou mais pormenores sobre a sorte de Choe e assegurou desconhecer a localização do campo de trabalho para onde terá sido enviado.

No relatório apresentado no parlamento, os serviços secretos sul-coreanos adiantam, porém, que Choe foi "castigado" após terem surgido problemas no projeto de construção de uma barragem hidroelétrica próximo da fronteira norte-coreana com a China, que o levaram a pôr em causa as ordens de Kim Jong-un.

Especialistas sul-coreanos defenderam que, caso a informação esteja correta, Choe poderá regressar, embora ainda não se saiba quando, à elite norte-coreana por não ter cometido um delito grave.

A 12 deste mês, a agência noticiosa sul-coreana Yonhap, citando fonte do NIS, indicou que Choe fora enviado para "um programa de reeducação" na prestigiosa universidade Kim Il-sung.

Face ao extremo hermetismo do regime norte-coreano tornou-se praticamente impossível conhecer dados sobre a sua própria elite política, o que explica a abundância de especulações sobre os altos funcionários e as dificuldades em comprovar a veracidade das informações, refere a agência noticiosa EFE.

Choe Ryong-hae, filho do histórico guerrilheiro e militar do regime Choe Hyon, foi o enviado especial da Coreia do Norte à China para representar o país, a 03 de setembro último, no desfile militar que celebrou o 70.º aniversário da rendição japonesa.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.