sicnot

Perfil

Mundo

ONU quer enviar reforços para proteger civis no Sudão do Sul

O secretário-geral da ONU recomendou o envio de mais 1.100 "capacetes azuis" para o Sudão do Sul, onde a guerra civil continua apesar da assinatura de um acordo de cessar-fogo no final de agosto.

© Goran Tomasevic / Reuters

Ban Ki-moon fez a recomendação, hoje divulgada, num relatório entregue na semana passada ao Conselho de Segurança e no qual se mostra pessimista em relação a uma solução para o conflito.

Os reforços pedidos incluem 600 polícias e 500 soldados, assim como 13 "meios aéreos adicionais" como helicópteros, uma companhia de engenharia para se instalar em Bentiu (norte) e hospitais de campanha para Bentiu e para a capital, Juba.

Os "capacetes azuis", atualmente cerca de 12.500, protegem 180.000 civis refugiados nas seis bases das Nações Unidas em todo o país.

Embora o governo sul-sudanês e os rebeldes liderados por Riek Machar tenham assinado um acordo de paz a 26 de agosto, os combates nunca cessaram verdadeiramente.

"As violações do cessar-fogo e a incapacidade dos beligerantes em respeitarem as datas limite para as primeiras fases da aplicação do acordo de paz fazem duvidar do seu compromisso em relação ao processo de paz", considera Ban, que admite a possibilidade de "novos atrasos" na aplicação do acordo.

Ban receia igualmente "assassínios de represália", tendo em conta as atrocidades cometidas desde o início do conflito há perto de dois anos, assim como uma "escalada da violência entre comunidades".

O Sudão do Sul proclamou a sua independência em julho de 2011, regressando à guerra em dezembro de 2013 devido a divergências políticas e étnicas, alimentadas pela rivalidade entre o atual chefe de Estado, Salva Kiir, e o seu antigo vice-presidente Riek Machar.

Os combates e massacres provocaram uma grave crise económica e humanitária e forçaram mais de 2,2 milhões de pessoas a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.