sicnot

Perfil

Mundo

Centenas protestam em Chicago contra descriminação racial

Centenas de pessoas saíram, esta terça-feira, para as ruas de Chicago (EUA) em protesto após ter sido divulgado um vídeo da morte de um jovem negro, ocorrida há mais de um ano, por um polícia branco que disparou 16 vezes.

© Jim Young / Reuters

Vários manifestantes gritaram "16 tiros", em referência ao número de balas que atingiram Laquan McDonald, de 17 anos, e outros repreendiam os agentes antimotim, segundo imagens televisivas.

As autoridades judiciais de Chicago anunciaram, esta terça-feira, que vão acusar o veterano polícia branco Jason Van Dyke, presumível autor dos disparos contra o jovem, de homicídio.

Van Dyke, de 37 anos, entregou-se às autoridades e deve ser presente a tribunal, que vai decidir se lhe concede liberdade condicional.

McDonald foi morto a 20 de outubro de 2014, após um encontro com o agente Van Dyke, da polícia de Chicago, e que assegurou na altura que o jovem estava armado com uma faca.

No vídeo, divulgado ao final do dia de terça-feira, vê-se McDonald a correr, aparentemente, a afastar-se de um grupo de agentes, quando foi atingido pela primeira vez. Depois, aparece estendido no chão, onde aparentemente é baleado por diversas vezes, e um agente não identificado aproxima-se e chuta uma pequena faca que McDonald segurava na mão.

A polícia argumenta que Van Dyke disparou por temer pela sua vida e acrescenta que McDonald, cuja autópsia revelou indícios de que pode ter consumido drogas, se comportou de forma errada e que não atendeu as ordens dos agentes para que largasse a faca.

Antes da difusão do vídeo, e antecipando eventuais protestos, o presidente da câmara de Chicago, Rahm Emanuel, e o superintendente da polícia, Garry McCarthy, apelaram à calma durante uma conferência de imprensa.

Este é o primeiro caso em 35 anos na cidade de Chicago em que um polícia é acusado de homicídio em primeiro grau devido a um incidente ocorrido quando estava em serviço, segundo a imprensa local.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC