sicnot

Perfil

Mundo

Médicos sem Fronteiras consideram ataque dos EUA a hospital afegão um "assustador catálogo de erros"

A investigação dos Estados Unidos ao ataque aéreo a um hospital dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Afeganistão revelou um "assustador catálogo de erros" cometidos pelos militares norte-americanos, disse esta quarta-feira a organização não-governamental.

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar. (Arquivo)

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar. (Arquivo)

© Parwiz Parwiz / Reuters

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar.

"O assustador catálogo de erros hoje apresentado ilustra a negligência grosseira praticada pelas forças militares dos Estados Unidos e a violação das regras da guerra", disse o diretor-geral dos Médicos Sem Fronteiras, Christopher Stokes.

O responsável reagia à divulgação do relatório sobre o incidente revelado pelas autoridades norte-americanas.

Os Estados Unidos admitiram hoje que o bombardeamento ao hospital se deveu a um erro humano "trágico" e que os militares responsáveis foram suspensos.

Aquela é uma das principais conclusões da investigação interna realizada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos para esclarecer o bombardeamento do hospital.

Segundo o relatório, o erro humano foi provocado por falhas no sistema e procedimentos de atuação.

O documento refere que os militares responsáveis pelo ataque não tomaram as medidas apropriadas para verificar se o alvo era um objetivo militar legítimo.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.