sicnot

Perfil

Mundo

Médicos sem Fronteiras consideram ataque dos EUA a hospital afegão um "assustador catálogo de erros"

A investigação dos Estados Unidos ao ataque aéreo a um hospital dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Afeganistão revelou um "assustador catálogo de erros" cometidos pelos militares norte-americanos, disse esta quarta-feira a organização não-governamental.

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar. (Arquivo)

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar. (Arquivo)

© Parwiz Parwiz / Reuters

A 3 de outubro, um ataque aéreo a um hospital daquela organização não-governamental durante uma ofensiva contra os talibãs a norte na cidade de Kunduz provocou a morte a 30 pessoas e obrigou ao encerramento daquela unidade a encerrar.

"O assustador catálogo de erros hoje apresentado ilustra a negligência grosseira praticada pelas forças militares dos Estados Unidos e a violação das regras da guerra", disse o diretor-geral dos Médicos Sem Fronteiras, Christopher Stokes.

O responsável reagia à divulgação do relatório sobre o incidente revelado pelas autoridades norte-americanas.

Os Estados Unidos admitiram hoje que o bombardeamento ao hospital se deveu a um erro humano "trágico" e que os militares responsáveis foram suspensos.

Aquela é uma das principais conclusões da investigação interna realizada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos para esclarecer o bombardeamento do hospital.

Segundo o relatório, o erro humano foi provocado por falhas no sistema e procedimentos de atuação.

O documento refere que os militares responsáveis pelo ataque não tomaram as medidas apropriadas para verificar se o alvo era um objetivo militar legítimo.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18